quarta-feira, 28 de setembro de 2016

UMA VISITA À ACADEMIA PIAUIENSE DE LETRAS E OUTRO ASSUNTO






                                       

                                                          Cunha e Silva Filho


       Estive há pouco em Teresina a fim de lançar o meu  livro Apenas memórias (Rio de Janeiro: Quártica, 299 p, 2016). Antes de dar continuidade a esta crônica,  quero agradecer a todos  os que concorreram  para que  o evento  tivesse o sucesso  que  teve. Por este motivo me cabe,  como  dever de piauiense que sou  e com  muita honra, consignar meus agradecimentos a algumas  pessoas que,  particularmente,  tornaram  a minha  brevíssima  estada nessa capital   tão confortadora.
        Citaria, na minha visita à Academia Piauiense de Letras,  o  escritor,  professor  e jovem membro  da Academia Piauiense de Letras, Dílson Lages Monteiro, que teve um especial  carinho  pela organização, divulgação do meu  livro, além de ter ido pessoalmente comigo à redação  do prestigioso  jornal  Diário do Povo, onde  me concederam  uma  bela entrevista alusiva ao lançamento do meu  citado  livro de memórias,  e onde  tive  o prazer  enorme de conhecer pessoalmente o redator-chefe desse jornal, o jornalista  Zózimo Tavares, também  escritor e membro  da Academia Piauiense de Letras, o qual me ofertou e autografou sua mais recente  obra, Pulando nuvens (Teresina: Bienal, 2016,  148p.).
     Na mesma  relação, mencionaria  com   satisfação  o meu amigo,o poeta,  o escritor e o magistrado, Dr. Elmar Carvalho,   que teve a delicadeza  e o gesto  cavalheiresco de me convidar  a fazer um  breve  viagem  de carro à minha  terra natal,  a bela e lírica Amarante. Dessa viagem,  Elmar Carvalho já deu conta de relatar  numa crônica comovedora  de título  “Viagem sentimental  no tempo e no  espaço.”
    Outro agradecimento  que não poderia   deixar de referir nesta crônica foi  o encontroa que tive na Academia Piauiense de Letras, na qual  tive  a alegria  de rever e conhecer algumas  membros  ilustres da Casa de Lucídio Freitas,   instalada em  belo prédio da Avenida Miguel Rosa. Porém, o melhor dessa minha  visita à APL foi  uma espécie de homenagem que alguns membros  eminentes  dessa   quase centenária  instituição acadêmica. Na reunião de  seus pares, ali se encontravam  os  intelectuais  Celso Barros Coelho,  M. Paulo Nunes, Oton  Lustosa,  Elmar Carvalho,  Jônathas Nunes,  Fonseca Neto, Herculano Moraes,  Francisco Miguel de Moura,  Zózimo Tavares,  Manfredi  Cerqueira, Magno Pires, Cid de Castro  Dias. Espero não haver  omitido algum  nome presente  à reunião.
    No entanto, o que me deixou profundamente  emocionado  foram as  palavras que alguns  membros  dirigiram  à minha pessoa,  sobretudo  referentes à minha  atuação  como  escritor  e principalmente  como   um escritor  piauiense  que, dentro das minhas  possibilidades  e limitações,   tenho   divulgado  a literatura  de autores  piauienses,seja em livros,   revistas, conferências, seja pelo  meu  Blog  “As ideias no tempo”, pela  minha coluna  Letras Viva  do já bem conhecido e apreciado   site  “Entretextos,” dirigido, com   competência e inegável  entusiasmo,   pelo   professor  Dílson Lages Monteiro.Os meus agradecimentos  se  estendem igualmente  aos funcionários da APL, sempre  solícitos  e gentis.
    Fora do meio acadêmico,   não deixaria  de fazer uma referência   especial  ao jornalista  e ficcionista  Rivanildo  Feitosa,   que atua  no jornal  Meio-Norte e em outras mídias locais. Rivanildo  cuidou  também  de divulgar  o lançamento do meu livro e ainda  me entrevistou  na noite de autógrafo. A entrevista  foi breve, mas  me cativou  bastante  pela  descontração  e habilidade  do  entrevistador,  pessoa a quem  estimo e admiro muito, quer pela sua  esmerada  educação,  quer pelo valor que nele reconheço como  jovem  romancista, já tendo  produzido  dois  romances  bem recebidos pela crítica. O primeiro,  Reflexões de uma cadela vira-lata ((2011), do qual fiz uma resenha, e o segundo,  O macho e a fêmea (2014),  do qual fiz o prefácio.
      Na  noite do lançamento de meu livro (é o terceiro livro que lanço em Teresina), tive a imensa alegria de,além de alguns familiares, poder contar com a presença  de intelectuais,  mais velhos ou mais jovens,  como o  grande poeta, historiador literário, ensaísta e crítico literário Francisco Miguel de Moura e sua esposa; o romancista  e contista, desembargador   Oton Lustosa,  do qual tive  a satisfação de analisar   parte de sua relevante  ficção; o fino  ensaísta e crítico literário, professor Carlos Evandro Eulálio; o jovem acadêmico, já citado linhas atrás, Dilson Lages,  acompanhado de sua esposa,  que me  honrou com a “Apresentação”  do meu livro, de resto,  uma   magnífica análise  abordando  pontos-chave da minha obra;  o jovem poeta  Luiz Filho de Oliveira  acompanhado de sua   esposa,  Suzy Reis
        Luiz Filho é uma  voz nova e vibrante  da poesia, de alta qualidade   nas letras  piauienses da atualidade. Dos presentes citaria ainda  o  ilustre jornalista  Carlos Said, o citado  jornalista  Zózimo  Tavares,  o historiador José Pedro  de Araújo; o professor  universitário (UFPI) e  historiador  Fonseca Neto; a professora da UESPI, ensaísta Raimunda Celestina Mendes da Silva,  a ficcionista  Rita de Cássia Amorim  Andrade,  o meu amigo já mencionado, poeta  Elmar Carvalho e sua esposa  Fátima, o jovem  ficcionista Geovane Fernandes Monteiro.
       Last but not least,  não posso me furtar  à oportunidade  de  agradecer  ao  Leonardo,  proprietário da  belíssima Livraria  Entrelivros,  pessoa  agradabilíssima  que  tive  a felicidade  de  conhecer  pessoalmente.
      Sei que posso ter-me  esquecido   de citar  outras   figuras  do cenário intelectual   piauiense.  Por isso,  peço-lhes aqui  minhas desculpas.
      Convém, ademais,  registrar que,  pelo menos  dois escritores  não puderam, por motivos superiores,   estar presentes  ao evento: o festejado  ensaísta e crítico literário,  professor  emérito de literatura  portuguesa da  UFPI,  M. Paulo Nunes; o escritor, contista, Milton  Borges. Ambos, gentilmente, encarregaram  amigos  para comprarem  o meu livro.
     Enfim,  mais uma vez, me escusando  pelas omissões   involuntárias de mencionar  alguns  nomes que estiveram    no evento,  quero  agradecer,  sensibilizado, a todos  os que ajudaram  a  tornar  o lançamento  um  momento de extrema  importância  para o autor desta crônica.
     De Teresina, na manhã do dia 26,  me despedi da  bela “Cidade Verde”, rumo ao  Rio de Janeiro “com as asas de dor do pensamento.” – esse componente  sentimental de minha  personalidade  do qual  não quero  me   separar  enquanto  bater  o meu coração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário