quinta-feira, 28 de março de 2013


                                                                                                       By Cunha e Silva Filho

For some time now I have not returned to deal with this subject, I mean, the hard tribulations experienced by the Syrians still under the control of the dictator Bashar Al-Assad. The only fact I know is that the opposition against him still goes through a strong resistance in trying to take the power from the bloody hands of the violent strong man of the country, who remains insensitive, sometimes only showing a mocking simile, indifferent to the fate of hundreds of people  whose deaths, by order of his army, have been brought about pitilessly.

A wasted land in its architectural topography, in its buildings, in its homes, in short, in its infrastructure of facilities which should be rendered to the local population and what is always and most grievous in the repeated and accumulated losses of innocent lives during all this period of civil war, The worst of all this are not the material losses of course, but the human tragedy itself, with the loss of the least conditions of survival. Why, a country the population of which cannot foresee what, instantly, can happen to it, is left haunted all the time for fear of bombing blasts of all types of modern weapons thrown against what the government calls the opposition enemy forces. This Nero of modernity is able to have bombs explode in places and, in a communiqué, declares the blasts were thrown by what he labels “the rebels”. The latest news from the dictation’s actions that have come to my knowledge refers that he was injured in an attack of the opposition side. I wonder if this was no more than speculation, as the news coming from the country have difficulties in being broadcast  due to information control mechanisms of the government.

The reader can realize that, so far, I have not mentioned anything about international organizations that should take drastic steps against the dictator. In my view, everything diplomatically has already tried by the organization of the United Nations (UN) and its Security Council. However, as far as I know, nothing that I might seem as concrete actions has been done in order to minimize the pain of the Syrian people who, I had better say, are divided between those who stand up for the government and are so conniving with the dictator’s atrocities and those who vehemently reject bloodshed in the old Syria.

Now and then, a piece of news is given by the north American government reporting that the country is going to harden with the tragedy of the civil war in Syria. Nevertheless, what a contradiction of a country which attacked, without fair reasons, Iraq, in a deed resulting from a gross mistake of its foreign policy and, in the case of Syria, nothing of utmost importance has been done to reduce the hardships of Syrian society unfortunately now split in its political wishes. The United States, still in its position of world leadership in terms of weapon power, has truly the duty, combined with other countries making up the United Nations organization to help the opponents to overthrow Bashar Al Assad’s authoritarian regime. It seems to me, however that the United States, with all the internal problems still unsolved, specially the economic ones, fear entering with firm strength in the Syrian conflict.

In the meantime, the civil war among countrymen goes on violently, inhumanly, forlorn to their own fate of limited possibilities and available attack power counter-attacked by Al Assad’s heavier weapons with the possibilities of using or having used chemical ones. Diplomatic representatives from the United Nations and from other international organizations of peace, from the International Red Cross Aid, oftentimes have been talking in Damasco with the authoritarian government and, as a result, have not got practically almost nothing as far as negotiations are concerned. I wonder: what has resulted positively of everything that has so far been tried to secure peace along diplomatic negotiations so as to put an end to the Syrian dictatorship.

The United Nations has only acted to get harmless negotiations. Will not the dictator draw back and  give up the benefits and privileges entailed by power? Is he an unbeatable tyrant? All this leads me to think this issue over, i.e., surely the dictator has the military support of some countries it has diplomatic relations with, obviously because of economic and political reasons, whether it be Russia, or China, thus giving the impression of being undefeated?

The dictator’s images that, from time to time, are shown on TV news show him smartly dressed and with a countenance apparently serene which does  not correspond to the atrocities and horrors that Syrian society has gone through.

These strange images of his captured by us prove  they are fake images of his countenance, a sham of a haunted reality of a kind of  genocide of a man who looks like being for ever kept in his position of a true death’s man of his own people.

To us is left to remain disappointed, expecting that international seriousness and justice and their most competent organizations may meditate deeply on the sad fate  of  a people who have been  for two years  the sacrificed victims of a single man whose insensitivity hovers on human pain. May they not simply meditate but join efforts in this globalized world with a view to dismantle the Syrian dictatorship and redeem its people from “captivity” and  from  the severest hardships and sufferings, at least for those who, not having got to migrate to Turkey, or other neighboring country, have left behind them some marks of the blood shed from dead bodies of children, youngsters, adults and aged people, and gone in pursuit of a long time  cherished dream of peace of body and soul.(A translaton of this  article is shown  below)

Como está a Síria?

                                      Cunha e Silva Filho

Há tempos não volto a esse assunto, as atribulações experimentadas pelos sírios ainda sob o controle do ditador Bashar Al-Assad. Só sei que a oposição ainda resiste a uma tomada do poder nas mãos ensanguentadas do atrabiliário homem forte do país, impassível, por vezes mesmo esboçando um sorriso esgar , indiferente á sorte das centenas de mortes que, por determinação de seu exército, têm sido ceifadas sem dó nem piedade.

Terra arrasada na sua topografia arquitetônica, nas suas edificações, nas sua moradias, enfim, na sua infraestrutura de serviços que deveriam ser prestados à população, e, o que é muito e sempre gravíssimo nas repetidas e acumuladas perdas de vidas inocentes durante todo esse período de guerra civil. Não são as perdas materiais as piores sem dúvida, mas sim a tragédia humana, com a perda das mínimias condições de vida e sobrevivência. Ora, um país cuja população não pode prever o que, de um minuto para outro, pode lhe acontecer de desgraça, vive sobressaltado a todo instante por explosões de todo tipo de armas modernas lançadas contra o que o governo chama de opositores. Esse Nero da atualidade é capaz de mandar explodir bombas em lugares e, em comunicado, afirmar que as explosões partiram do que ele denomina cinicamente de “rebeldes.” As últimas notícias de que vim a saber referem que o ditador, num ataque da oposição, ficou ferido.Não sei se isso não passa de especulação, pois as notícias que vêm de lá encontram dificuldades de transmissão seguramente pelos mecanismos de controle de informação do governo.

O leitor pode perceber que, até aqui, não mencionei nada sobre organismos internacionais que deveriam ter tomado as providências drásticas contra o ditador. Tudo, no meu juízo, já foi tentado pela ONU e seu Conselho de Segurança. Mas, pelo que se vê, nada de mais concreto se tem feito para diminuir a dor dos sírios, aliás, divididos entre os que fazem coro com as atrocidades do ditador e outros que se lhe opõem veementemente pelo derramamento de sangue na velha Síria.

De vez em quando, uma notícia parte do governo norte-americano declarando que o país irá endurecer com a tragédia da guerra civil na Síria. Entretanto, que contradição de um país que atacou , sem razões imperiosas, o Iraque, num cometimento de um erro crasso de sua política externa e, para o caso da Síria, nada de grande importância tem feito para minimizar as agruras da sociedade síria infelizmente dividida nas suas aspirações políticas. Os EUA, ainda na sua condição de líder mundial, tem , sim , o dever, somado a outros países que fazem parte da ONU, de conseguir ajudar os opositores ao regime discricionário de Bashar Al Assad e apeá-lo do poder. Ma, me parece que os EUA , com todos os problemas internos a resolver, sobretudo os financeiros, receiam entrar com mais firmeza no conflito dos sírios.

Enquanto isso, a guerra civil entre irmãos da mesma pátria prossegue violenta, desumana, entregue à própria sorte das possibilidades e poder de ataque dos opositores contrapostos com as armas mais pesadas do ditador com possibilidade de usar, ou ter usado, armas químicas. Representantes diplomáticos da ONU, de outros organismos internacionais pacíficos, da Cruz Vermelha Internacional, já por várias vezes estiveram em Damasco, conversaram com o governo autoritário e de concreto praticamente nada sobrou.. Será que nada que se tem feito, no plano diplomático de negociações, serviu , até agora, para por um ponto final à ditadura síria? A ONU, o seu Conselho de Segurança, só têm servido para tentativas de negociações inócuas. Será que nada faz o ditador recuar e desistir do fascínio e das benesses do poder usurpado? Será Bashar Al Assad um déspota invencível? Dá o que pensar, seguramente o ditador conta com o apoio de países e de ajuda militar e política, seja a Rússia, seja a China, e com isso dá a impressão de inexpugnável? As imagens do ditador que, de vez em quando, surgem nos noticiários da televisão mostram-no bem vestido, com olhar de aparente tranquilidade que não correspondem às atrocidades e aos horrores vividos pela sociedade síria.

Estranhas essas imagens que dele captamos, o que prova ser a imagem uma contrafação, um simulacro da realidade assombrosa,  uma espécie de genocídio de um homem que semelha sustentar-se eternamente na sua posição de senhor verdugo do seu próprio povo.

Resta-nos, despontados, aguardar que a seriedade, a justiça internacional, os seus organismos mais competentes reflitam maduramente sobre a triste sina de que há dois anos vem sendo vítima da imolação de um único homem cuja insensibilidade paira acima das dores humanas. Que não só reflitam, porém congreguem esforços, neste mundo globalizado, no sentido de desbaratar a ditadura síria e redimir do “cativeiro” e da extrema aflição e sofrimento, pelo menos os que, não tendo conseguido migrar para a Turquia ou outro país vizinho, deixaram para trás o rastro de sangue das mortes de crianças, jovens, adultos e idosos à procura da tão sonhada paz da alma e do corpo.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Uma ida ao Centro do Rio de Janeiro

Cunha e Silva Filho

Agora que tenho um pouquinho de tempo mais, de quando em quando, vou ao velho Centro da Cidade Maravilhosa. Uma vez, meu pai, em carta pra mim, desabafou com essa afirmação: “.. Maravilhosa não para aqueles que vêm para ela lutar, sofrer e, quem sabe, vencer, ou não, na  vida..” Era um desabafo com alguma indignação como resposta a uma carta anterior que lhe fizera contando-lhe os aperreios de um jovem nordestino sem mesada tentando sobreviver na grande urbe carioca. E já grande urbe, se comparada às capitais menos desenvolvidas do país no meu tempo de recém-chegado ao Rio.

Hoje, no final da manhã, fui ao Centro com a minha mulher e o meu filho mais novo, o Alexandre. Tomamos o ônibus na Tijuca e saltamos na Presidente Vargas, essa avenida cansada de guerra, de mudanças na direção do trânsito, nas faixas de pedestres e nos pontos de ônibus. Na cidade grande tudo é efêmero relativamente. Nada dura muito ou sempre.

As cidades são como as pessoas, com o tempo mudam de fisionomias, só que, na mudança, vão subsistir dois planos de sua arquitetura: um, representando o passado com as suas velhas edificações algumas tombadas, outras sujeitas aos capricho dos prefeitos;outro, representado pelas mudanças radicais apontando para a modernidade, com os seus arranha-céus surgindo em quase todo canto do miolo do Centro. Aprendemos a conviver com essas mudanças, acompanhamos as modificações, sofremos com as interdições nos períodos de grandes transformações arquitetônicas.

O que era rotina dos pedestres em termos de terminais de coletivos, se altera e por isso causa um certo transtorno, aborrecimentos diante da nossa impotência de resistir às diretrizes da prefeitura com as suas ideias cíclicas de redimensionamento do plano geográfico da cidade. Que por vezes dá certo e outras vezes, não.

O habitante da grande cidade não passa de um homem tentando conviver com a sua anomia no meio da multidão indiferente e individualista, cuja manifestação mais evidente é a pressa, o dinamismo, o vai-e-vem dos pedestres e o fluxo incessante dos carros. Um escritor francês, no seu tempo, dizia que os habitantes de Paris são de “...uma curiosidade tanta que chega à extravagância.” Não sei mais se no Rio de Janeiro somos ou fomos o que eram os franceses. Já houve um tempo  em que pensei que os cariocas eram também muito curiosos a ponto de alguém fingir que está olhando para um ponto no alto dos edifícios e, de repente, muita gente formar uma espécie de circulo em torno dele e começar a olhar também idiotamente para o alto procurando algo que, na verdade, não existe , pois não passou de uma brincadeira.

Saltamos do ônibus, tomamos a direção da Rua Miguel Couto. Nosso destino era o Largo do São Francisco. Lá entraríamos num prédio para tratar de assunto pessoal. Antes, porém, de chegarmos no Largo do São Francisco, passamos pela vetusta Rua do Ouvidor. Como sempre, cheia de pedestres nas duas direções, como também ladeada dos dois lados por lojas, butiques, lanchonetes, prédios de escritório, comércio generalizado.  Pensei comigo: como está distante da famosa Rua do Ouvidor do tempo do escritor da Moreninha (1844), o romântico Joaquim Manuel de Macedo, que, por sinal, tem um livro fascinante sobre essa rua, Memórias da rua do Ouvidor (1878),

No tempo do II Império, era uma rua aristocrática, na qual passeavam escritores, homens de negócios, senhoras distintas da alta sociedade, com seus vestidos vaporosos, suas jóias brilhantes, às vezes acompanhadas de cavalheiros elegantemente vestidos, conversando sobre variados assuntos da vida pessoal ou fazendo comentários sobre os folhetins da época com as suas histórias de aventuras amorosas ou de amores desencontrados, ou mesmo como no caso de dois guapos cavalheiros, comentando algum assunto do cenário político do momento. No meio daquela rua outrora elegante charmosa, esplendorosa, afrancesada, feérica, eu me encontrava, em pleno século 21, numa insossa e decaída rua carioca, imaginando cenas de tramas saídas da pena de um José de Alencar, do próprio Macedo ou de um Machado de Assis.

Olhei pra frente, no Largo de São Francisco de Paula, ou simplesmente, Largo de São Francisco, e logo avistei a antiga Escola de Engenharia, onde, hoje ainda funciona o famoso IFICS (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais) da UFRJ, desdobramento da antiga Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil (1939). O mesmo prédio histórico já abrigou a Escola Politécnica e nessa construção já funcionou a Real Academia Militar. Olhando também para o lado esquerdo de quem sai da Ouvidor, revejo a Igreja de São Francisco, na qual, meia hora depois, dobravam os sinos que ouvi do 12º andar de um velho prédio do Largo, local do meu destino no Centro da cidade.

Almoçamos na Travessa do Passo, bem pertinho da Praça XV. Percorremos, a pé, várias ruas há muito conhecidas de minha permanência longa no Rio e, para falar a verdade, cada rua, de alguma forma, me leva ao passado em tempos e pensamentos superpostos, ou seja, cada lembrança tem o condão de se associar a outras lembranças, boas ou más, mas sempre lembranças. As lembranças, a posterori, ressignificam parte das nossas memórias, que nunca vêm à tona cronologicamente e com precisão cirúrgica, mas misturadas ou simultâneas, numa ida e volta, sem planos estratégicos, mas retomadas por um fluxo contínuo de imagens, gestos, ações, palavras, situações, sons e cheiros.

O passado, já observei, quando muito recuado, mistura muitas vezes a ordem dos acontecimentos e nos deixa na encruzilhada do que antecedeu e sucedeu. Algo da retentiva embaralha alguns incidentes, sobretudo na tentativa de procuramos harmonizá-los dentro de uma cronologia rígida. A memória é falha e talvez por isso é que somos impelidos a preencher os vazios e, ao fazê-lo, somos traídos pela imaginação ou fantasia, quer dizer, penetramos, por vezes inconscientemente, no mundo da recriação rememorativa. As memórias, assim, se transmudam em realidade e ficção.

Volta pra casa. O ônibus que íamos tomar não tem mais seu terminal, virou ônibus circular com as obras que comporão os projetos de urbanização da área portuária do atual prefeito sob o nome geral de “Porto Maravilha,” aí incluindo parte da Praça XV, onde fica o Mergulhão (interditado agora para a realização de obras que fazem parte daqueles projetos), passagem subterrânea por onde fluem pesadamente os coletivos e outros veículos que vão para os bairros da Zona Sul. No Mergulhão ficava o ponto final do ônibus que costumávamos tomar. Tivemos que pega um ônibus no Largo da Carioca que, aliás, nos surpreendeu pela percurso rápido e objetivo em direção à Tijuca, lugar de nosso regresso pra casa.

sábado, 23 de março de 2013

Maracanâ Stadium: turmoil between the police and Brazilian indians

Dear  reader: This column, under the title Brazil's Overview Corner, whenever  possible,  will be  written directly  in English so that people who do not read Portuguese  will be able to  have access to it. Needless to say that constructive  criticisms will be   welcome. A Portuguese translation  is given below the English text.

                                                                                      By Cunha e Silva Filho

The day before yesterday, Rio de Janeiro has seen an unsual and regrettable incident involving Brazilian indians and the local state police force. The indians have for a long time peacefully lived in an old building named “Aldeia Maracanã ” This name alludes to its location very close to the worldwide famous Maracanã Stadiium..

The police had judicial orders to invade the building and expel the indians. However, the way the police use to do it was beyond normal civilized manners to treat Brazilian indians. According to one of the indian leaders, the police used brute force, that is, they made use of tear gas, rubber gun shots, pepper spray, besides other aggressive physical actions in full disrespect towards the natives. This fact is doubly irrational as even high public officers such as a Republic attorney, a  public attorney and a lawyer were also victims of excessive use of  authority on the part of  the  police. I should say the Brazilian Supreme Court ought to take due  steps in order to investigate in full details why the police in Rio de Janeiro have acted so brutally against important public officials. In no other time in the history of Rio de Janeiro’s governors have we had any equal news of the chief state authority behaving so arrogantly as the present Rio de Janeiro’s governor.

It is is known that the governor of a state is the highest authority to determine the police to quell disorders, but what people have seen were acts of cowardice towards the victims who were there to negotiate in a civilized way and not be treated violently by the police.

During the invasion there were also demonstrators, generally students who were there to give support to the indians’ claims and right to remain in the old building. The students were also repressed by the military state troops.

The incident reminded me of the dark years of Brazil’s repression during military dictatorship  period.
The reason why the state of Rio de Janeiro wanted to expel the indians from the old building, which is also known as the Indian Museum,  is simply economical inasmuch as it implies to turn private the Maracanã Stadium now still controlled by the state government. They want to transform the place into a big parking lot, and also to make use of the rest of the space to build, let us say, a shopping center. These are perhaps the main reasons the governor had in mind when he appealed to Justice in order to take over of the old building. As you can see, merely for financial reasons.

On the other hand, it is a pity that the judicial power has taken a position to benefit the financial side of the issue and not, as we would expect, give protection to the weakest side, I mean, the indians’ right to remain in a place they already regard as their “home” and their habitat. As far as I know, the indians have never given reason to complaints on the part of the Maracanã Stadium neighborhood.

It is necessary to emphasize the circumstance that the Maracanã Stadium is going through an ample reformation and modernization in its architectural structure with a view to the important ongoing world events that will take place in the city of Rio de Janeiro: The Olympic Games, the World Soccer Cup , just to mention the most important  megaevents.

O Estádio do Maracanã: tumulto entre policiais e índios brasileiros

Cunha e Silva Filho

Anteontem, o Rio de Janeiro presenciou um lamentável e raro incidente envolvendo indígenas e a força policial.Por muito tempo, os índios vivem em paz num velho prédio chamado “Aldeia Maracanã”. Deve este nome à sua localização vizinha ao mundialmente famoso Maracanã.

A Polícia recebeu determinações judiciais para invadir o prédio e expulsar os índios. Entretanto, a forma de abordagem policial não respeitou os modos educados de dar tratamento aos índios brasileiros, Segundo um dos líderes indígenas, a Polícia empregou o uso da força, isto é, utilizou-se de gás lacrimogêneo, tiros de balas de borracha, spray de pimenta, além de uso da força física com total desrespeito aos indígenas. Este fato é duplamente irracional, pois até altos funcionários públicos tais como um Procurador da República, um Defensor Público e um advogado foram da mesma forma vítimas de abuso de autoridade por parte da Polícia.Diria que a Suprema Corte de Justiça deveria tomar inciativa a fim de mandar investigar com rigor os motivos que levaram a Polícia do Rio de Janeiro a agir assim brutalmente contra membros importantes do governo federal. Em nenhum outro momento da história dos governadores do Rio de Janeiro tivemos notícias de que a máxima autoridade estadual se comportasse com tanta arrogância como o atual governador carioca.

É do conhecimento geral que o governador de um estado é a mais alta autoridade com prerrogativa de determinar à Polícia para reprimir desordens, porém o que se viu foram atos de covardia para com as vítimas que ali estavam para negociar de forma civilizada e não serem tratadas com violência.

Durante a invasão houve igualmente protestos na maioria de estudantes que ali estavam para se solidarizarem com as reivindicações dos indígenas e seus direitos de permanecerem no velho casarão. Os estudantes, da mesma forma, foram reprimidos pelas tropas estaduais.

O incidente me fez lembrar dos anos sombrios da repressão durante a ditadura militar.

A razão pela qual o estado do Rio de Janeiro decidiu a expulsar os índios do velho casarão, o qual é também conhecido como o Museu do Índio, foi meramente econômica, visto que tem-se em vista privatizar o Maracanã ainda atualmente sob o controle do estado. O objetivo do governo é transformar o Maracanã num grande estacionamento e também utilizar o espaço restante para construir um shopping comercial. Talvez estes sejam os motivos principais que levaram o governo a recorrer à Justiça a fim de retomar o velho prédio. Como se vê, estão em joga razões financeiras.

Por outro lado, é lamentável que o poder judiciário tenha tomado uma posição que só vem trazer benefícios para o lado financeiro da questão e não, como seria de esperar, dar suporte ao lado mais desprotegido, isto e, o direito de os indígenas de permanecerem num lugar que pelo tempo já consideram seu “lar” e seu hábitat. Que eu saiba, os índios até hoje nunca deram motivos de reclamações da parte de moradores da vizinhança do Maracanã.

Cumpre ressaltar a circunstância de que o Estádio do Maracanã se encontra agora em fase de ampla reforma e modernização tem do como meta os futuros eventos mundiais a serem realizados na cidade do Rio de Janeiro. Só para citar alguns destes megaeventos, temos os Jogos Olimípicos, a Copa Mundial de Futebol.

sexta-feira, 22 de março de 2013

Barack Obama: um Presidente prudente

Cunha e Silva Filho

Ainda me lembro do dia da posse do primeiro mandato do jovem Presidente Barack Obama, o primeiro negro a assumir o mais elevado cargo dos Estados Unidos, um evento e feito notável de exemplo dado pelos americanos numa demonstração do quanto o velho estigma do racismo contra os negros está já distante dos conturbados anos de Martin Luther King Jr., da segregação infame entre brancos e negros, inclusive no ambiente escolar americano.

A vitória de Obama foi alvissareira, rendeu frutos à pátria grandiosa de Lincoln, de Jefferson, de Benjamin Franklin, de George Washington, de Franklin Delano Roosevelt, para citarmos figuras eminentes dos EUA. Obama foi uma divisor de águas, veio para realizar mudanças profundas na consciência do branco e do próprio negro americano e, no segundo mandato, na consciência de todos os imigrantes que procuram os Estados Unidos para viverem na condição de uma segunda terra natal.

Defeitos, vacilações, erros em Obama podemos reconhecer em sua administração. Porém, os acertos, sobrepõem-se aos erros e hesitações. Veja-se o seu comportamento agora na questão delicada entre palestinos e judeus. O que me primeiro me chamou atenção foi verificar que o Presidente americano não deu mostras de ser maniqueísta. Não se portou como estadista só em favor dos judeus com quem os EUA mantêm há muito tempo laços estreitos de bons relacionamentos diplomáticos. Conversou com as autoridades principais de Israel, Netaniahu, seu Primeiro-Ministro, homem um tanto intransigente e meio arrogante, Shimon Peres, personalidade política mais aberta ao diálogo, detentor do Prêmio Nobel de Paz, ganho conjuntamente, em 1994, com Ytahak Rabim e Yasser Arafat, e hoje Presidente de Israel. Por outro lado, Obama teve conversações amistosas com o Presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, que me parece um líder sério e comprometido com a paz entre Israel e a Palestina.

Apesar das manifestações contrárias à sua visita em solo palestino, Barak Obama sem arrogância mas com palavras em tom tranquilo declarou que se coloca a favor de que os palestinos tenham seu próprio Estado independente e não sejam injustiçados com as pretensões dos judeus de construírem cada vez mais moradias em terras palestinas. Esse é o ponto-chave da posição norte-americana em relação ao conflito interminável entre palestinos e judeus. Creio que caminhos mais abertos e pacíficos começam a se descortinar no horizonte geopolítico dos dois povos.

O ódio que parte do Oriente Médio e de outras regiões do mundo  ainda devota aos EUA se deve a desastrosas políticas de natureza imperialista que os americanos por tanto tempo praticaram contra muitos países daquela região. Ou seja, os orientais e mesmo asiáticos sempre viram os norte-americanos como inimigos exploradores de povos mais atrasados e menos  protegidos das organizações internacionais, como a ONU, a OTAN, por exemplo. Invasões americanas a pretexto de estabelecer a segurança de povos em conflitos internos serviram ainda mais para aumentar o sentimento de ódio contra o que já se denominou o Império do Mal, sobretudo partindo dos iranianos e de outras nações que sempre consideraram os EUA como intervencionistas para obterem lucros políticos, econômicos ( traduza-se petróleo) e de hegemonia geopolítico-militar mundial. Todas as guerras na Ásia, sendo exemplo máximo de luta sangrenta a Guerra do Vietnam (1950-1975), na qual se envolveram os EUA, todos os conflitos no Oriente Médio, só em longo prazo poderão dissipar esta aversão crônica contra os norte-americanos, o mesmo se dando em países da América Central e América Latina.

Entretanto, creio que o governo de Bush Filho, foi o principal caldo entornado no recrudescimento do ódio de aparte do  Oriente Médio e de outras regiões do mundo contra os norte-americanos. Infelizmente, devemos reconhecer que Bush Filho foi uma espécie de louco, ao mandar, sem motivo justo, invadir o Iraque, numa invasão por todos os lados e usando o que de mais poderoso em armas poderia empregar o Exército norte-americano foi um verdadeiro gesto genocida de Bush Filho, que só o futuro irás mostrar até que grau de insanidade política  podem alcançar determinações de um Presidente incompetente e despreparado para a sua função.

Com a invasão do Iraque, por exemplo, o nível do ódio aos americanos chegou ao ponto mais alto. A Bandeira americana rasgada, pisoteada e queimada era o sinal mais inequívoco do sentimento de revolta de muitos povos contra os Estados Unidos. Agora, é tempo de os Estados Unidos, sob a presidência de Obama neste segundo mandato, reabilitar-se diante dos estigmas malditos do passado da política e da diplomacia norte-americana. Muita coisa ainda resta a Obama realizar a fim de que o ódio aos americanos, tão nocivo a eles mesmos e que só serve como estopim a atos terroristas no território americano, seja varrido da imagem de  uma pátria  outrora admirada pelas ilustres figuras mencionadas atrás neste artigo
Lembra-se, leitor, como me alertou  um filho meu estudioso do Direito e da História, do papel primacial e determinante das Forças Armadas norte-americanas durante fases cruciais na luta contra o nazi-fascismo durante a Segunda Guerra Mundial? Não se pode, portanto, só enxergar o lado mau do passado da Historia Americana.O povo norte-americano, no  presente e no passado também realizaram  grandes feitos na História Mundial .Repito, não devemos ser maniqueístas e parciais. Os Estados Unidos não são apenas um país de guerreiros, mas de muitos homens ilustres que muito fizeram,  nos vários campos do saber humano, pelo progresso mundial.

quarta-feira, 20 de março de 2013

A farra das viagens ao exterior

Cunha e Silva Filho

É bom, é ótimo que um Presidente de um país chegue ao Vaticano para prestar homenagens diplomáticas à cerimônia da Missa Inaugural do novo Pontificado, até manter com o novo Papa um encontro particular. Nada a me opor a isso. Faz parte dos laços diplomáticos entre nações amigas e é proveitosos para ambos os países, o Brasil, a Itália e, por extensão, o Vaticano.

Entretanto, os motivos relevantes acima mencionados perdem grande parte de seu sentido quando uma Presidente, dirigindo-se à imprensa no exterior, afirma que compartilha dos propósitos do Papa Francisco no que diz respeito ao combate à pobreza, alegando que, em nosso país, esta meta vem sendo perseguida como uma das principais preocupações do governo petista. Ora, se pensarmos bem, não é difícil entender que o Brasil é um país de contradições e de empulhações. Ao mesmo tempo em que a Presidente Dilma Rousselff está em Roma, lá se hospeda em hotel suntuoso, com uma comitiva pantagruélica, custando ao Erário Público brasileiro a mincharia de sete mil reais a diária  por membro da comitiva que a acompanhou à cerimônia inaugural do novo papado.

O que vemos é o avião presidencial com todo conforto apinhado de áulicos do poder, se refestelando em hotéis de luxo, bem vestidos, bem nutridos à custa do contribuinte brasileiro que luta contra os conhecidos velhos problemas da nação: violência, transporte, segurança educação, para ficarmos apenas nos quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Uma vez, uma pessoa conhecida da mídia brasileira perguntou à Sra. Dilma se ela gostava de ser presidente. Não pensou duas vezes: “Gosto.” Mas quem não gostaria de viver diferente do resto do povão que sofre todos os percalços de um país como o nosso? Não resta dúvida de que essa é uma das razões de um país querer reeleição, porque isso significa mais poder, mais mordomias, viagens internacionais, bons hotéis, boas comidas, bons passeios, enfim, a dolce vita sonhada por quem nasce, vive e morre em dificuldades como se dá com a maioria do povo brasileiro.

Um mandatário de uma nação que se propõe a dar o bom exemplo de austeridade jamais permitira que, em viagens ao exterior, mesmo quando estas tenham importância para o desenvolvimento do país em variados setores da vida pública, fosse acompanhada de bajuladores e arrivistas que estão sempre cercando a cúpula do poder,  palacianos de um espaço de Palácio (pode ser o do Alvorada ou outro qualquer de cada estado) que uma vez, em livro meu pai, Cunha e Silva (1905-1990), jornalista piauiense, chamou de “Copa e Cozinha.”

Se a Presidente Dilma quer dar exemplo de austeridade com o dinheiro do povo e dele obter altos níveis de aceitação pessoal no alto cargo que ocupa, ela deveria refletir melhor sobre esse assunto. Os acompanhantes da Presidente – e há um deles (adivinhem quem?) que sempre se encontra por detrás dela com olhar sisudo - , não foram delegados pelo povo a fim de usufruir das benesses da função presidencial. Bastaria que alguns poucos ministros e assessores da Presidente, assim como do Ministro das Relações Exteriores, para formar a comitiva representando os brasileiros na terra dos Papas.

Enquanto o a Presidente está em Roma, aqui em Petrópolis os pobres estão sofrendo mais uma tragédia que atingiu pelo menos umas trinta vítimas que foram encontradas nas escavações, acrescidas de dezenas de desabrigados e de outras tantas que ainda estão soterradas. A tragédia da região serrana, como de outras regiões do Rio de Janeiro e de outros estados se repete anualmente co a chegada das inundações que arrasam tudo que encontram pela frente.

Chama-se a isso de tragédias anunciadas. As verbas que são liberadas, em 2011, pelo governo federal, segundo informou a imprensa, até hoje não foram usadas em benefício das regiões atingidas.Ora, se uma verba vultosa demora a ser aplicada, significa que nada foi feito pelos governo estadual e prefeituras.

Resta indagar onde se encontram tais verbas? Por que não forma utilizadas em contenções de encostas, em construções de moradias dos sem-teto em lugares seguros ainda que afastados dos locais onde viviam. O trabalho da Defesa Civil é fundamental, dos bombeiros, dos voluntários, mas isso não é ainda suficiente porque o que deve ser feito com urgência e espírito público está ligado a obras de engenharia de estradas, a ações efetivas da Secretaria de Habitação, à assistência social, e estratégias do governo estadual com a ajuda federal para evitar que moradias sejam construídas em terrenos de risco.

Um dos maiores entraves da verbas federais são os trâmites burocráticos com o agravante de que dessas verbas muitas são desviadas criminosamente por prefeitos sem fiscalização do governo do estado. Assim como há ainda em nosso país a “indústria da seca”, há também o que podemos denominar de “indústria das inundações”.

Governos estaduais e prefeituras têm que ser responsabilizados por todos as desídias e mau gerenciamento do dinheiro público destinado a minimizar esta sequência de tragédias que assolam o Rio de Janeiro e outras cidades em todo o país. Ao se omitirem diante das suas obrigações de governantes, os políticos brasileiros estão agindo como irresponsáveis e bem poderiam responder por suas negligências, as quais equivalem a verdadeiros crimes contra a sociedade. O povo brasileiro não pode continuar assim indiferente a tragédias que poderiam ser, em muitos casos, evitadas ou, pelo menos, minimizadas, se o povo deixasse de ser tão acomodado e insensível aos irmãos brasileiros vítimas das enchentes de cada ano.

segunda-feira, 18 de março de 2013

Prisão perpétua já!

Diante da extrema violência que se abateu pelo país inteiro, sobretudo nas capitais mais importantes, resta às autoridades brasileiras dos três poderes envidarem esforços adicionais e mediatos a fim de minimizar a criminalidade no país. Trata-se de uma situação anômala que requer medidas urgentes e eficazes a fim de por cobro a estes desmandos num país do nível de desenvolvimento em vários setores da sua economia, indústria e comércio. O país, a esta altura de seu progresso, deve dar satisfação às nações adiantadas quanto à questão da violência extrema. Se  por aqui não há guerra civil entre irmãos, se não temos terrorismo do tipo que encontramos em outras nações, não é possível que não possamos reduzir o gigantismo dessa criminalidade.

Manifestadas em múltiplas formas , a violência brasileira chega a ser um caso à parte se confrontada com outros países de alta violência. Não estou me reportando agora aos crimes apenas oriundos do narcotráfico, mas sobretudo àqueles que ocorrem no cotidiano da sociedade brasileira: mortes por atropelamento, violência doméstica contra as mulheres, uso de armas por jovens sem registros e de propriedade do pai, assaltos inesperados a residências resultando na morte covarde e hedionda, quer dizer, um bandido entra na sua casa, obriga-o a entregar seu carro e, sem que haja nenhuma reação do dono da casa, atira neste sem dó nem piedade, como aconteceu recentemente em Curitiba com a morte de um senhor de oitenta e um anos. Estas atrocidades acontecem a qualquer momento, fazendo de todos nós reféns da bandidagem que se alastrou pelo Brasil sem que nenhuma mudança substancial tenha havido no Código Penal Brasileiro.

Todas as desgraças trazidas pela violência galopante devem-se a dois fatores principais: a) a permanência da impunidade em todas as escalas do poder político: o anacronismo de nosso Código Penal. Não se pense que esteja eu querendo me passar por alarmista leviano. Longe de mim . O que trago à reflexão dos homens de bem, dos responsáveis pelo país  são  apenas sugestões de um brasileiro  que almeja sempre  a felicidadeda Nação. Basta acompanhar o noticiário de atos criminosos diariamente ocorridos para que o leitor concorde comigo nesta série de artigos que tenho publicado neste blog  discutindo a questão momentosa da criminalidade, da impunidade e do descaso dos governos federal, estadual e municipais para avançarem com firmeza contra os inimigos da sociedade nos seus vários tipos de delitos, desde os mais simples até os chamados crimes hediondos.

Quando a máquina do Estado se torna inoperante, incompetente para atacar a questão da criminalidade, ela não deixa de ser um dos motores realimentadores da impunidade e, por sua vez, do recrudescimento da violência.Criminosos não são loucos, são indivíduos cruéis, sem princípios de moral nem de respeito ao ser humano. Por esta razão, ao saberem que no país quem comete atrocidades tem direitos garantidos pela Constituição e pela legislação jurídica, além de serem protegidos por certos direitos humanos que se espalharam por aí, ele não hesitará em colimar seus desejos selvagens de matar, estuprar, atropelar, furtar, roubar, falsificar, sequestrar, enfim, executar todos os tipos de crimes mais escabrosos possíveis, sabendo que ficarão pouco tempo na cadeia graças a uma série de benefícios criados para protegê-los .

Chamo a atenção para os estudiosos do Direito, juízes, procuradores,desembargadores, Ministro da Justiça,do  Supremo Tribunal Federal e outras instâncias relevantes do Poder Judiciário, defensores, advogados criminais, promotores, a fim de que não permaneçam como estão, quer dizer, aceitando um arcabouço de leis que está servindo apenas para manter uma espécie de status quo da criminalidade. Alguém que pratique um crime hediondo, por exemplo, não deve ser contemplado com recurso a instâncias superiores da Justiça. O procedimento da punição penal deve ser simplificado, sem as conhecidas “brechas da lei”, como as famigeradas “progressões de pena”, “bom comportamento, “regime semi-aberto, “liberdade condicional” etc., etc. Direi sempre não a qualquer tentativa de continuísmo de um círculo vicioso em forma de impotência, tolerância, indiferença e acomodação no tocante a um endurecimento contra criminosos. Costuma o homem da rua, o homem comum, afirmar que não mais acredita em punição para criminosos no Brasil.

Se o criminoso é sentenciado a, digamos, quinze, vinte ou trinta anos de prisão, que esta penalidade seja cumprida à risca. Para os crimes mais abomináveis, a força da Lei deverá ser mais severa, ou seja, deve se orientada para a implantação, mesmo que provisória, da prisão perpétua. Obviamente, não seriam utilizadas estas penalidades mais duras somente para os negros, mulatos e pobres. Serviria para todo e qualquer cidadão brasileiro, rico ou pobre, que infringisse o Código Penal. Não vejo outra solução para o que está atravessando a sociedade brasileira cada vez mais aterrorizada com a onda de violência recorrente e insidiosa como um câncer se alastrando pelo corpo da sociedade.

Ou alteramos (atualizamos) o Código Penal e as múltiplas formas de recorrências apoiadas na legislação criminal, no tipo de punição a crimes de vária natureza, fazendo valer as sentenças dos juízes e limitando as possibilidades que advogados têm para driblar a gravidade dos crimes a fim de proteger e defender seus clientes, sobretudo aqueles endinheirados que poderão pagar altos honorários aos advogados, ou a trágica realidade da extrema violência continuará vitimando inocentes e indefesos em índices cada vez mais gritantes e vergonhosos para a boa imagem do país.

Todos os brasileiros, inclusive as autoridades em todos os níveis de governança do Estado Brasileiro, podem ser vítimas da alta criminalidade, de vez que,além do mais, todos têm filhos, parentes, entes queridos que, num canto de uma esquina, ou na curva de uma estrada, em casa ou na rua, poderão ser a próxima vítima da selvageria da violência tentacular e impiedosa.

sábado, 16 de março de 2013

Nuvens brancas no Vaticano

Cunha e Silva Filho

O Vaticano está em festa. Milhares de fiéis de várias partes do mundo permaneceram pacientemente até que da chaminé saíssem as tão aguardadas nuvens brancas, anunciadoras de um novo papado. O catolicismo realmente reúne milhões de pessoas, ainda que nem todas identificadas como católicas sejam mesmo praticantes deste credo cristão. Católicos há que o são sem irem constantemente assistir às missas dominicais pessoalmente. Preferem ficar em suas casas, fazer suas orações costumeiras, o Pai-Nosso, a Ave-Maria, entre outras orações , aliás, muito belas e abrangentes quanto aos ideais católicos.

Saiu Bento XVI, que se recolheu à sua condição de Papa de pijama. Isso, dizem alguns informes da mídia, voluntariamente, sem constrangimentos nem pressões. No entanto, a saída de um Papa, ainda em pleno gozo de suas faculdades mentais, com muita lucidez pela frente, nunca é um mero acontecimento na história da Igreja Católica. Já houve precedente. Fica, porém, alguma dúvida por pare dos que refletem mais maduramente sobre as questões mundiais nos seus diversos aspectos e complexidades de temas e de soluções.

Não desejo me meter em discussões mais fundas acerca da saída de um Pontífice e da entrada triunfal de outro. Antes aceitemos a realidade circundante, que, por si mesma, já é tão vasta e tão cheia de surpresas.

Ao novo Papa, o primeiro da América do Sul, de nossa vizinha Argentina, que não estava no rol dos mais cotados para a eleição do recente conclave, só auguro um período de pontificado de paz e conciliação, de paciência e humildade para enfrentar os grandes e graves desafios que o Catolicismo está atravessando em nossa época, com um saldo pouco positivo para a imagem que  dele se tem,  e sobretudo da estrutura da Igreja.

Papa Francisco, assim chamado simplesmente sem nenhum algarismo romano agregado ao prenome, não deixa de ser um indicativo promissor de uma missão a ser por ele cumprida tendo como fundamento as associações com os santos que  tiveram por nome Francisco, como São Francisco de Assis, São Francisco de Pádua, São Francisco Xavier. Essas figuras queridas e estimadas pelos cristãos católicos, e até não católicos, são pontos de referência a um pontificado que promete ser palmilhado por mudanças e renovações sem peso de retórica, mas com ênfase na concretização de alterações que façam mudar a boa imagem e o respeito que o catolicismo precisa recuperar junto à sociedade religiosa e laica.

Essa mudança deve se estribar sobretudo no combate sem trégua  a fim de  debelar os estigmas que têm origem no próprio seio do conjunto de membros da Igreja Católica. A começar da cobrança  irrestrita de mau comportamento moral de sacerdotes e de membros do alto escalão da Igreja que, em diversos lugares do planeta, mancharam em parte a reputação do catolicismo. Esta é uma das difíceis tarefas a que o Papa Francisco deve dar toda a atenção. Reconhecer os erros de alguns de seus membros é dever da Igreja Católica. Eliminar sacerdotes que pecaram contra as normas morais do corpo religioso se me afigura uma questão de honra para o novo Sucessor de Pedro.

Uma outra tarefa importante das lideranças católicas é o enfrentamento dos problemas relacionados à preocupante diminuição, em grande escala, de fiéis católicos que, nos últimos anos, têm migrado para outras denominações religiosas, algumas delas também eivadas de ações profanas e desvios de comportamento ético-religioso. Recuperar esses fiéis deve ser outra prioridade de Sua Santidade.
Uma terceira tarefa seria a moralização administrativa da burocracia católica sediada no Vaticano, tendo como nicho mais crucial a vida financeira representada pelo Banco do Vaticano, alvo de acerbas críticas da imprensa internacional. Afastar e mesmo eliminar religiosos que tenham cometido ações ilegais e indecorosas, no que tange às finanças do Banco do Vaticano, com ramificações até, segundo informa a mídia, de natureza criminosa e com ligações mafiosas ,torna-se uma das prioridades do novo papado.

Sei que todos esses problemas a serem enfrentados pelo Papa Francisco exigirá dele muito tino político e larga visão de conjunto. Torço para que esses desvios diversos de conduta moral-religiosa serão contornados de tal sorte que a Igreja possa conquistar o apoio e a solidariedade dos fiéis e de todos que, mesmo sem religião, desejam que o novo pontificado readquira os melhores anos de uma Igreja sólida e respeitada por toda a sociedade mundial.

A declaração de que o Papa Francisco tenha como um dos seus objetivos dirigir todo o prestígio do Vaticano para um apostolado voltado aos mais humildes é um bom prenúncio de sua missão material e espiritual. Que este objetivo seja alcançado é  o que todo cidadão de bem espera do Papa Francisco. Será um grande passo para a efetivação da melhoria das condições de vida no planeta. Mudanças nessa direção feitas com a humildade de ações de caridade pura e com os pés no chão já indicam um percurso a ser atingido  no  rumo da paz entre os povos.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Tradução dos "English Poems II", de Fernando Pessoa

Retomo a produção em inglês de Fernando Pessoa. Desta vez, iria traduzir o longo poema Epithalamium dando continuidade ao meu projeto de traduzir toda a produção em inglês e francês de Pessoa. Entretanto, quebrando a sequência, apresento-lhe, leitor, agora, a tradução, em forma bilíngue, dos English Poems II:

SEPARATED from thee, treasure of my heart,
By earth despises, from sympathy free,
Yet winds may quaver and hearts may waver,
I’ll never forget thee.

Soft seem the chimes of boyhood sweet
To one who is no more free,
But let winds quaver and men’ hearts waver,
I’ll never forget thee,

In a dim vision, from school hailing
Myself a boysh form, I see,
And winds have quavered and mens’hearts wavered,
But I’ll not forget thee.

Since first thy form I saw,
While from school I came with glee,
Winds have quavered and mens’hearts wavered,
But I’ve forgotten thee.

Since a simple boysh passion
I entertained for thee
Though winds have quavered and mens’hearts wavered,
I’ve forgotten thee.

The stars shine bright, the moon looks love,
From over the moonlit sea,
Winds have quavered and mens’hearts wavered
And thou hast forgotten me.

Separated from thee, treasure of my heart,
By earth despises, from sympathy free,
Yet may quaver and hearts may waver,
But I’ll never forget thee.

APARTADO de ti, tesouro do meu coração,
Desprezado pela terra, carente de compaixão,
Os ventos, porém, vibrar podem, assim como os corações  podem emudecer,
Que jamais te esquecerei.

Plácido parece o repicar dos sinos de minha doce meninice
A quem se privou da liberdade.
Vibrem, contudo, os ventos e silenciem os corações dos homens,
Que jamais de ti me esquecerei.

Numa visão turva vindo da escola,
Vejo-me na forma de uma criança.
Vibram os ventos e os corações dos homens emudecem.
Mas, de ti não me esquecerei.

Desde o primeiro dia em que te vi em divina forma,
Chegando álacre da escola,
Vibraram os ventos e os corações dos homens emudeceram.
Aí, no entanto, te esqueci.

Enquanto não passava de uma simples paixão infantil,
Por ti me enlevei
Posto que ventos tenham vibrado e os corações dos homens tenham emudecido.
De ti me esqueci.

Luzentes permanecem as estrelas, a lua ao amor se iguala
Por sobre o mar enluarado,
Os ventos vibram e os corações dos homens emudecem
Tu me esqueceste.

Apartado de ti, tesouro do meu coração,
Pela terra desprezado, de compaixão carente.
Os ventos vibrar podem assim como os corações emudecerem.
Porém de ti não me esquecerei.


SOMEWHERE where I shall never live
            A palace garden bowers
Such beauty that dreams of it grieve.
There lining walks immemorial,
             Great antenatal flowers
My lost life, before soul, recall.
There I was happy and the child
           That had cool shadows
Where in to feel sweetly exiled.
They took all these true things away.
         O my lost meadows!
My childhood before Night and Day!


EM ALGUM LUGAR onde nunca viverei,
              Se encontra um jardim de um palácio.
Tanta beleza combina que os sonhos por ele sofrem.
Lá, recamada de passeios imemoriais,
             Grandiosas flores pré--natalinas
Diante da alma, minha vida perdida rememoram.
Ali fui feliz, e a criança
Que nele frias sombras sentia
Docemente evanesceu-se.
Despojaram de mim todas estas coisas verdadeiras
           Oh, perdidos prados meus!
Minha infância feita da Noite e do Dia!

                                                                              (Trad. de Cunha e Silva Filho)

terça-feira, 12 de março de 2013

Uma pequena e valiosa obra: "Elementos de língua latina"

Cunha e Silva Filho

A minha relação intelectual com o latim foi sempre tumultuada, conflituosa e inacabada. Isso merece uma explicação do cronista.

Em 1963, se não incorro em lapso de memória, fiz, ainda adolescente, um artigo de título “Por que a exclusão do latim?”, publicado em jornal de destaque em Teresina. Era o meu protesto contra o apagamento do currículo escolar ginasiano de uma língua que, em países adiantados, ainda hoje é cultivada. Me lembro de que o pai da linguística no Brasil, o emérito professor Joaquim Mattoso Câmara Júnior, de quem tive o prazer e a honra de ter sido aluno na antiga Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil, hoje UFRJ., não por vaidade nem soberba, mas por mera brincadeira que fez uma manhã aos seus alunos numa daquelas aulas memoráveis, começou sua exposição expressando-se em latim clássico.Aproveitava para afirmar que, na Alemanha, cultivava-se o latim. Ora, isso era uma maneira de ele chamar a atenção dos seus discípulos para o papel vital que a língua de Cícero desempenhava na formação humanístico-clássica dos estudantes brasileiros.

O meu interesse pelo latim, posto que não o domine como o desejasse, remonta aos tempos de aluno ginasiano. O latim, na época, era tido como uma matéria difícil. Ora, agora entendo que a dificuldade tinha uma razão profunda: é que, por mais que admirasse a pessoa dos meus professores, essa disciplina não era bem conduzida pela Escola Tradicional. Para sintetizar, o latim era ministrado sem o concurso da didática voltada para essa língua morta, conforme a ela  sempre se referem os estudiosos de idiomas. Na realidade, de morta não tem nada. Haja vista essa espécie de “ressurreição” do latim em algumas escolas brasileiras do ensino fundamental e médio.

Grata, oportuna e abençoada ressurreição! Tudo não passava, no que tange ao estudo do latim, de uma questão de ensino-aprendizagem, ou seja, de formas de ensinar um idioma que força sem dúvida a inteligência dos adolescentes e adultos. Se essa exigência intelectual é imperiosa ao aprendizado do latim, então podemos louvar, com toda justiça e obrigação, o professor-autor Carlos Evandro Eulálio pela publicação recentíssima de seu pequeno volume Elementos de língua latina (Teresina, PI: Nova Aliança, 2013, 120 p., com Apresentação do professor Mac Dowell Leite).

A obra é realmente sedutora, seja pelo conteúdo dosado com perícia didática, seja pela diagramação, disposição da matéria ventilada, seja por aquele dado - o de tornar o estudo do latim  agradável e fácil na aprendizagem - ,  o qual  capta logo a simpatia do leitor, do adolescente ou mesmo do adulto que dele se acerque para uma aventura deliciosa de aprender este idioma tão fundamental à formação integral do indivíduo que almeje uma cultura sólida, porquanto   o estudo do latim é  complemento e  lastro ao aprofundamento dos estudos em língua portuguesa. Diga-se, de passagem, que o latim jamais será um estudo anacrônico e dispensável a  qualquer intelectual exigente com a sua formação cultural.

Me recordo, de resto, das obras didáticas do meu tempo de ginásio e mesmo nos dois anos de latim  em nível avaçado,   na universidade. No ginásio, os autores didáticos em que estudei latim na escola, ou sozinho, eram José Cretella Júnior, Vandick Londres da Nóbrega, Aída Costa, Pe.  Milton Valente, S.J., com os quatro volumes do Ludus e de sua respectiva gramática. As gramáticas latinas eram a de Mendes de Aguiar, que pertencia a meu pai, e a de Ladislau Peter. Havia igualmente em casa, a Gramatica da língua latina, de Clintoc, do tempo de D. Pedro II, que  pertencia  também a meu pai. Tenho um exemplar dela só que com muitas páginas faltando. Havia ainda em casa um prestigioso dicionário latino, o Novíssimo diccionario Latino-Portuguez, de F.R. dos Santos Saraiva, editado pela H. Garnier, Livreiro-editor, Rio de Janeiro, Rua do Ouvidor, 71 e Rue des Saints-Père, 6, Paris, s/d.

Tempos depois, recebi de um amigo a Gramática Latina, do P. João Ravizza (da Arcádia Romana). Nela estudou meu pai, quando aluno interno do Colégio Salesiano Santa Rosa,  de Niterói, nos anos vinte do século passado.A edição que tenho é a décima quarta, publicada pela Escola Industrial Dom Bosco, em Niterói, 1958, 560 p. Meu pai foi aluno de Mendes de Aguiar, o autor da gramática acima citada. Foi ele quem verteu para o latim o Hino Nacional Brasileiro. Em tempos mais atuais, tenho comigo a obra Latin, da coleção Teach yourself books, de autoria de F. Kinchin Smith, fundamentada no trabalho de W. A. Edward (London: Hodder and Stoughton, revised edition, 8th impression, 1979, 344 p.)

A matéria daqueles livros didáticos era ensinada sem aquele cuidado necessário a quem aprende uma língua que exige esforço, muito esforço pessoal e um professor que a saiba ensinar com paciência, com cuidado e sem atropelos. Nisso joga um papel nuclear no sucesso do aluno a maneira de distribuir e de expor a gramática latina, os exercícios propostos.  A dosagem da matéria nos estudos das declinações e dos verbos são elementos-chave sobretudo se aliados a uma controle didático da quantidade de vocabulário com a sua respectiva significação em português a ser aprendida pelo educando, vocabulário este que se internaliza, pouco a pouco, no espírito do jovem e do adulto quando contextualizado com cautela e suavidade.

O latim, assim como o grego ou mesmo as línguas vivas, deve ser lecionado com vagar, paciência e tempo suficiente. Nada de atropelos, de açodamento para ensiná-lo a toque de caixa, sem que ao aluno seja possibilitado o fôlego necessário a absorver suavemente a matéria ensinada, quer a gramática, quer a leitura ou mesmo tradução. Sobre este assunto, remeto  o leitor ao meu livro Breve introdução ao curso de letras: uma orientação (Rio de Janeiro: Litteris Ed.: Quártica, 2009, 117 p.) No capítulo 5 , “A importância do conhecimento de idiomas,” o leitor pode ver as sugestões que lhe apresento no tocante a línguas modernas e bem assim ao latim e grego. Dou-lhe algumas dicas e ainda faço algumas sérias restrições ao mau ensino dessas duas línguas clássicas no ensino superior de Letras.

O excesso de gramática, exposta em linguagem rebuscada, o peso excessivo de vocabulário apresentado ao aluno, numa palavra, os capítulos longos e aborrecidos, sem nenhuma preocupação de ensinar com prazer e dosagem certa de conteúdo acabaram, no passado, com o interesse dos alunos pelo latim. Resultado: cursavam quatro alunos de latim no ginásio e, com poucas exceções, saíam dessa fase do ensino detestando o latim e despreparados até para ler um texto básico da língua.

O fato de memorizarem as declinações e as conjugações de nada valiam para eles, pois eram incapazes de traduzir os fabulistas latinos, quanto mais o De bello gallico, de Júlio César e as Catilinárias de Cícero ou  obras literárias de outro autor latino. O que havia era mera decoreba de trechos dessas obras, como preparação ao ingresso nos cursos de Letras ou Direito.

Eis por que aplaudo a obra Elementos de língua latina, do professor Carlos Evandro M. Eulálio.Não só aplaudo mas a recomendo aos jovens estudantes brasileiros. Tenho minhas razões de estar entusiasmado. É porque este pequeno livro abrange os instrumentos básicos da estrutura do latim, sua gramática, sua sintaxe, seu vocabulário indispensável ao iniciante. Enxutos, os seus capítulos sabem equilibrar o tanto suficiente e  desejável aos primeiros passos nessa língua. Cada capítulo traz, em forma de epígrafe, um provérbio, uma frase sentenciosa, um pensamento, reunindo-os ao longo do livro, os quais  servem para uma efetiva e proveitosa reflexão do aluno e do professor. No rodapé da página, o autor lhes dá a tradução em vernáculo.

Constituído de doze lições bem distribuídas,  sem cansar o aluno ou o professor, o autor abre o primeiro capítulo com uma informativa e utilíssima história da língua latina, focalizando sua estrutura, pronúncia, flexões. Nos capítulos seguintes, ensina as declinações, a s conjugações  vaerbais,  o prnomes relativo,  as preposições etc., o que ele denomina “tópicos de gramática.” Ensina como deve o aluno procurar uma palavra no dicionário. Propõe exercícios de tradução e versão. O livro ainda inclui um glossário de palavras gerais do latim com a tradução em português.

O livro acrescenta, ao final, uma chave de todos os exercícios propostos nas respectivas lições. Aliás, a utilização de chave de exercícios em livro didáticos remonta há anos. A antiga coleção FTD dos Irmãos Maristas já usava chaves dos exercícios. Este recurso, que talvez tenha origem entre autores ingleses, hoje é amplamente utilizado no país e no exterior. A chave de exercícios, nos livros didáticos de Carlos Evandro, é muito proveitosa, não só para os alunos das escolas que adotam este livro, mas também para aqueles que estudam sozinhos, aprendendo pela primeira vez o latim, ou senão revendo os estudos interrompidos desta língua.As referências bibliográficas são atualizadas e certamente auxiliarão bastante os alunos que desejarem avançar no estudo do latim.

Aproveito o ensejo desta  crônica  para formular um pedido ao autor: que ele, quando possível, ainda publique pelo menos mais dois volumes dando sequência ao estudo do latim no ensino médio. Bem sei que seu livro anteriormente editado, Latim forense para estudantes (Teresina,PI: Nova Expansão Gráfica e Editora Ltda., 2009, 211 p.) poderia ser um complemento do volume ora publicado, que visa a um público-alvo específico, embora, em linhas gerais, siga os mesmos procedimentos didáticos do segundo livro do autor para o ensino do latim.

Quando falo de mais dois volumes para os Elementos de língua latina me refiro a volumes que possam atingir níveis de texto de autores básicos da literatura latina, os fabulistas, por exemplo, maior aprofundamento da sintaxe e inclusão de textos de César, Cícero e de outros escritores latinos menos complexos. Aguardo que os dois livros de Carlos Evandro consigam alcançar o sucesso que merecem. Com publicações didáticas iguais a estas, vejo com muito orgulho  que o estado do Piauí já dá mostras de uma produção científica no domínio do livro didático. O caminho está aberto para outros autores nas diversas disciplinas do currículo do ensino fundamental e médio.

terça-feira, 5 de março de 2013

Até na Suprema Corte do Brasil?

Cunha e Silva Filho

De um ignorante qualquer, que não teve a chance de uma boa escola, de uma universidade e de uma vida mais ou menos tranquila, a gente perdoaria a grosseria com um jornalista que lhe fosse fazer perguntas, mas de uma pessoa que foi alçada a uma relevantíssima função pública, ou à mais alta posição na área jurídica, é imperdoável. Não se pode dela esperar um comportamento deseducado. Pois foi isto o que fez o atual Presidente da Suprema Corte brasileira, o Sr. Joaquim Barbosa que, em pouco tempo, havia conquistado a simpatia de grande parte da população do país, com demonstrações de ser um membro decente, firme e de atitudes independentes e mesmo corajosas no que diz respeito ao julgamento do maior escândalo da política nacional, o Mensalão.

Os brasileiros deram tanta demonstração de simpatia e admiração pelo atual Presidente do Supremo Tribunal Federal que ele passou ao domínio de uma das manifestações mais populares entre nós, o carnaval. Cantado em verso e prosa, a figura de um homem negro que, pela primeira vez no Brasil, alcançou, no campo da magistratura, a posição do Sr. Joaquim Barbosa tornou-se uma conquista quase que inalcançável.

Foram suas concepções críticas contundentes acerca daqueles que formaram o esquema de corrupção que se implantou no seio do PT que lhe deram grande visibilidade no país inteiro. Lembra o leitor, durante o carnaval deste ano o quanto se vendeu de máscaras representando a figura do Sr. Joaquim Barbosa? Será que ele compreendeu que aquelas máscaras eram um sinete de uma homenagem do povo pela sua destacada atuação como membro da Suprema Corte?

Ou seja, o Presidente do Supremo conheceu a glória de ser objeto de reportagem, de manchetes de jornais, de capas de revistas, de artigos lhe elogiando o papel de conhecedor do Direito e das leis, de notícias sobre a sua carreira de menino humilde que, pelos estudos e vontade férrea, conseguiu vencer na vida, se tornar Procurador da República, haver feito doutorado no exterior, ser conhecedor de línguas etc, etc.

E, agora, cheio de empáfia, trata mal um jornalista no exercício de sua nobre função de transmitir notícias. Não só pelo tom de voz, mas sobretudo pelas enunciados proferidos por ele, ofendendo individualmente um profissional da imprensa, usando palavras e expressões chulas inapropriadas e moralmente deploráveis para o que se espera de um homem da Justiça no seu mais alto nível de hierarquia. Já e vê por aí que não é ele uma pessoa equilibrada e ética para exercer a função que ocupa no cenário jurídico do país.

Ao ser nomeado pelo Presidente Lula, este cometeu um erro enorme e lastimável para a Corte Suprema. Erraram também os que o escolheram para Presidente do STF. O Brasil perde pontos no cenário de sua vida pública. Nenhuma desculpa a posterori o isenta da imagem que agora se fará dele. Sua figura, já quase adquirindo status de ícone no imaginário do povo se arranhou por definitivo e se esgarçou, caindo do pedestal como santo de barro.

A alma humana é mesmo imprevisível. De repente o que era encanto se torna um malogro, um constrangimento, uma decepção ante a coletividade. Sua figura, antes aparentemente empática, sofre metamorfose, involui, padece de uma entropia comunicativa como celebridade e como distinção de atitudes, de modos e de comportamentos .

Não mais será o mesmo, nem mais dele se esperará coisa melhor. Continuará no seu cargo, mas, agora, despojado da fama e da simpatia que desfrutara por pouco tempo. O povo acompanhará seus passos, principalmente suas conclusões no que tange ao desfecho do julgamento de corruptos da Nação. Aguardemos os fatos que se desdobrarão diante de nós. As desculpas pelas dores da coluna não nos convenceram.

domingo, 3 de março de 2013

Aniversário de mamãe

Cunha e Silva Filho

Num pedacinho de papel de carta que me ficou nos guardados do tempo sobraram algumas palavras finais de um fecho de carta de mamãe. O trecho manuscrito diz: [...] “Francisco ainda se lembra do dia 1º de Março? Dia do meu aniversário. Lembranças de todos. Abraços de sua mãe que muito lhe quer. Ivone Silva.” No verso do pedacinho da carta, mamãe faz um comentário sobre a filha de uma das minhas irmãs e diz que era uma “linda garota cada vez mais linda e sabida. Vire.”

Não sei por que da carta inteira só me ficou aquele pedacinho de papel.Talvez, numa mudança, e eu fiz muitas, a carta inteira se tenha rasgado em pedaços, só me restando o que agora relato. O curioso é que eu descobri o pedacinho da carta quando, abrindo um livro meu,The teacher at home – Conversação inglesa (Porto: Editorial Domingos Barreira, 606 p.),   presente de um estimado  ex-aluno  chamado Barroso, jovem  português a quem lecionei  a disciplina língua inglesa no início dos anos setenta do século passado. Ele  comprou o exemplar  numa viagem de férias  à cidade do Porto. O autor desse grandioso  livro é o  padre português, Júlio Albino Ferreira, famoso professor de inglês  em Portugal até os anos trinta do século passado, autor de numerosos livros sobre a língua inglesa, bem como de dicionários de inglês-português elogiados por ilustres professores americanos e ingleses da época. Padre Júlio Albino morou vários anos na Inglaterra aperfeiçoando-se no idioma de Shakespeare.Vim a conhecer esse autor porque meu pai tinha na biblioteca de casa um dos livros didáticos do eminente professor português. Eu mesmo li os mais importantes livros do padre Júlio Albino.

O nome completo de minha mãe é Ivone Setubal e Silva. Não sei também a razão pela qual assinara,  na cartinha,  só “Ivone Silva.” Na mocidade   foi  uma bela mulher, conforme me mostra um retrato que dela vi na casa de um tio meu já falecido. Possivelmente naquele retrato estava na casa dos vinte a trinta anos. Com aquele sinalzinho num dos lados do lábio superior, sua fisionomia ficava mais atraente. Tinha cabelos escuros levemente ondulados.Era morena clara como se dizia no Piauí. Sua estatura era pequena. Os olhos, negros, eram belos e penetrantes; o rosto era mais para fino, não era redondo como em geral são as mulheres  nordestinas.
No dia primeiro de março completou noventa e um anos de nascimento. Faleceu nos anos noventa do século passado, ainda setentona. Numa crônica, “Os desenhos de mamãe,” publicada no Diário do Povo, de Teresina, Piauí, e, posteriormente em blogs, falei sobre a vocação de mamãe para o desenho e para os bordados. Era esse o seu lado artístico.

Seu pai, Avelino Alves Setubal, foi militar do Exército. Fora primeiro sargento e chegara a tenente. Morreu ainda muito jovem, na casa dos trinta. Na sua vida de militar houve um retrocesso que resultou na perda de galões de tenente, fazendo-o retornar à condição de primeiro sargento. Fora injustiçado. O fato, me parece, se deve à sua participação na Revolução de 1924, em São, Paulo. Faltam-me dados para esclarecimentos desse incidente que deve ter-lhe magoado muito.

Mãe Ivone era uma pessoa meio austera, fechada e não se desabafava muito. Na minha infância as melhores lembranças que tenho dela eram os carneirinhos que me desenhava, lindos desenhos que me deliciavam a imaginação e com eles me transportava para lugares inimagináveis, tal era o poder de magia dos carneirinhos. Só ela, com as suas mãos de fada sabia traçar as linhas que formavam aqueles desenhos que ficaram gravados na minha memória e fantasia infantil. Sobre esses carneirinhos já falei na citada crônica.

Outra grande lembrança que tenho dela eram nossas idas ao Mercado Velho de Teresina debaixo do calorão da capital piauiense. “Oi, caior  danado”, dizia eu bem pequenino de mãos dadas com mamãe. Uma outra vez, foi aquele momento constrangedor para um padre conhecido de mamãe, que me perguntara se queria ser padre .Respondi-lhe rispidamente: “- Não!” – Por quê?, insistira o sacerdote. - Padre usa vestido de mulher, retruquei-lhe ainda com firmeza. O religioso, então, desconversou sem graça e se despediu de nós.

Outro momento de grande emoção e tristeza para mim foi aquele dia em que, muitos anos depois, recebi um cartinha dela pedindo-me que não deixasse de rever meu pai, pois, segundo, ela os médicos lhe disseram que a vida dele estava por um fio. Atendi prontamente ao seu pedido e fui com um dos meus filhos visitá-lo em Teresina.

Finalmente, uma coisa associada à figura de  minha mãe da qual nunca esqueci. Era o preparo da galinha assada na noite de Natal. Não havia alguém que preparasse aquela ceia como mamãe. Era algo de outro mundo. O sabor do tempero, dos ingredientes da terra piauiense, o ponto certo de assar, a dosagem certa do sal, a farofa, o arroz. Aquele sabor de comida gostosa ainda consigo sentir lá no íntimo da minha memória.

É claro que se forçasse mais a memória iria contar-lhe, leitor,  mais algumas passagens agradáveis ou não do meu convívio com minha mãe. Uma coisa, contudo, nunca poderei deixar de fazer: lembrar aquela data querida e guardada para sempre, o dia 1º de março.

sexta-feira, 1 de março de 2013

O ensino do inglês nas escolas municipais do Rio de Janeiro

Cunha e Silva Filho

Caro leitor, estive relendo, após tantos anos, uma pequena monografia que escrevi ao participar de um concurso de monografias para professores de inglês, no início dos anos oitenta do século passado, pela Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro. No certame, fui um dos dez primeiros classificados entre muitos candidatos.

O concurso de monografias objetivava aperfeiçoar o sistema de ensino de idioma estrangeiro. O tema em questão foi: “Minha proposta para um programa realista de treinamento para os professores de inglês municipais.”

Como verifiquei que pouca coisa melhorou no campo do ensino-aprendizagem de língua estrangeira, e sabendo que em nosso país o tempo passa e a realidade permanece quase a mesma, sem muitos avanços efetivos, me decidi a traduzir a monografia originalmente escrita em inglês. Chamo a atenção do leitor para o fato de que as minhas observações críticas da realidade do ensino de inglês das escolas municipais também poderiam se estender ao ensino estadual e de escolas particulares, com as honrosas exceções à regra.

Espero que os interessados no assunto possam avaliar a realidade hoje do ensino do inglês comparando-a com a de três décadas atrás. Eis na íntegra o texto em português com   divisões dos tópicos e  sub-topicos ligeiramente  modficadas do original  em  inglês:

1. Introdução

Durante muito tempo o estudo de línguas estrangeiras, principalmente inglês e francês, nas escolas secundárias brasileiras, tanto públicas quanto privadas, foi tido quase como uma disciplina eletiva só contando para constar do currículo

Alunos antigos, que haviam há tempos terminado o primeiro grau, quando se lhes perguntava o que tinham aprendido de inglês ou francês, durante o período da 5ª à 8 séries [correspondente hoje ao ensino fundamental], com frequência respondiam com uma habitual leve ironia: -“Veja, o meu inglês (ou francês) é de ginásio.” Ora, tal resposta implica um domínio da língua estrangeira que está longe de ser mesmo um conhecimento elementar da língua estudada.

Diante destas circunstâncias, poder-se-ia fazer uma pergunta pertinente: Por que o ensino de línguas estrangeiras funciona assim em nosso país?

O presente trabalho procurará responder a esta questão e, por sua vez, oferecer alguma contribuição no sentido de subsidiar as autoridades educacionais do Município no tocante ao programa de treinamento de seus professores.

2. O treinamento de professores na Universidade

Quiçá nem todas as universidades brasileiras identifiquem deficiências na formação de professores de inglês para o 1º e o 2º graus. Todavia, é fato generalizado que o curso de treinamento de professores muito deixa a desejar. Como resultado, centenas de professores de inglês terminam a graduação anualmente sem ter, entretanto, a necessária competência para seu/sua delicada função. Esta falta de preparo, por sua vez, se refletirá no desempenho dos estudantes sob a sua responsabilidade.

Creio que tal deficiência se deve ao fato de que, durante os anos de universidade, o futuro docente adquire um considerável conhecimento de teorias linguísticas que não será utilizado na prática Julgo, ademais, que o período de treinamento dos professores. é muito limitado.

Desta forma, não se dá ao futuro docente tempo suficiente para enfrentar os obstáculos da realidade das atividades da sala de aula. Recordo-me de que, nos meus dias de universitário, ocorreu-me assistir a um filme mostrando um professor de inglês numa escola americana às voltas com as dificuldades peculiares a um ambiente de sala de aula formada de estudantes de vários nacionalidades. Esta circunstância levou-me a reconhecer que, antes de lidar com os estudantes, os futuros docentes primeiro têm que observar cuidadosamente e analisar as situações concretas da sala de aula.

3. O ensino de inglês nos institutos de línguas versus ensino de inglês nas escolas municipais

À medida em que a linguística se tornou cada vez mais complexa em suas pesquisas, assim também professores de inglês eram enredados numa verdadeira teia de aranha. Inegavelmente, estamos considerando aqueles professores na verdade comprometidos com o progresso do ensino de idiomas. Como iriam eles dar conta de tantos métodos, teorias e metodologias que surgiram num fluxo constante?

Qual seria o melhor método para o ensino de língua estrangeira? Deveremos seguir o método tradicional, o método direto, o áudio-visual, o eclético or qualquer outro que seja adotado? Qual, então, seria o ideal pra nossas escolas municipais? Ou, por outra, como devemos orientar nossos colegas-professores com vistas a uma autêntica abordagem para o ensino efetivo de língua estrangeira?

Antes de tudo, urge fazer uma distinção indispensável: entre duas espécies de situações de ensino e, portanto, dois tipos de professores: a) os professores que ensinam somente nos chamados institutos de línguas, e os professores que lecionam nas escolas públicas e particulares. Sabe-se que os primeiros são, em geral, professores altamente qualificados, ao passo que os últimos podem sê-lo ou não. Por que razão é assim? Porque ambos os tipos desempenham suas atividades em duas situações contrastantes. E, no caso dos professores de escolas estaduais, municipais ou particulares, existem muitas desvantagens:

a) Na maioria dos casos, esses professores estão carentes completamente de qualquer recurso didático;

b)  Só podem contar com o quadro-negro;

c) São obrigados a enfrentar turmas enormes, com trinta, quarenta ou mais alunos;

d) São obrigados a se contentar em ser um professor de uma disciplina entre outras de um dia escolar;

e) São obrigados a considerar como natural que, sempre que ele/ela vai à escola, deve dar quatro ou mais aulas sucessivamente com um pequeno intervalo para um cafezinho;

f) Seu salário não é nada compensado;

g) O inglês não tem peso na promoção do aluno, pois, de acordo com a Lei 5692, não passa de um mera “recomendação,” e não é uma disciplina obrigatória da grade curricular. Por conseguinte, os estudantes não têm interesse, a menos que sejam auto-motivados, pela disciplina, já que sabem de antemão que nela não serão reprovados;

h) Mais um aspecto gostaria de trazer à consideração de nossas autoridades. Trata-se do número de aulas por semana destinadas à língua inglesa. Espera-se que, pelo menos o estudante tenha 3 aulas por semana, porquanto, de outra forma, o resultado seria infrutífero.

4. Minha proposta

Antes de tudo, nenhum programa realista para treinar nossos professores nas escolas municipais deveriam negligenciar os problemas ou circunstâncias linhas atrás sugeridos, a menos que desejemos manter a realidade atual de n ossos ensino de língua estrangeira.

Segundo, temos que assumir uma posição de humildade e não pensar muito além de nossas possibilidades na tentativa de alcançar nossas metas.

Terceiro, deve-se estabelecer uma prioridade, a qual deve ser o resultado de uma acordo tácito entre todos os professores.Isto é, devemos descer do pedestal de nosso elitismo e enfrentar o problema de um ângulo realista. De nada vale defender diante de um Conselho de Classe que nosso método é moderno e representar um papel diferente diante dos alunos. Chamaria a isso profissionalmente uma hipocrisia.

Não nos envergonhemos de admitir que estamos empregando, digamos, tradução ou tradução para a língua-alvo, ou usando um artifício de pronúncia figurada a fim de ajudar o educando a lembrar os sons na língua nativa dele. Não neguemos que estamos usando a língua nativa do estudante em vez da língua-alvo em nossas salas de aula. Não neguemos que lecionamos numa escola municipal, na qual a maioria dos estudantes veio de lares desfavorecidos, trazendo com eles toda sorte de deficiências. Lembre-se de que a maioria dos estudantes de escolas públicas provêm de famílias pobres.

À vista disso, tentemos encontrar um conteúdo que se ajuste a esta realidade e não cegamente impor a este grupo heterogêneo de alunos um programa de língua estrangeira que seria só eficaz para pequenos grupos de alunos, como se vê nos institutos de línguas tais como o IBEU, Cultura Inglesa, CCAA etc.

Um ilustre professor uma vez afirmou a seus alunos que eles tinham que compreender o que liam. De outro modo, para que serviria o estudo de língua? Dos males, o menor, diz o provérbio. A que finalidade deveria servir a língua estrangeira senão, pelo menos, para possibilitar que o aluno entenda o que está lendo ? Se, por acaso, o estudante desejasse adquirir a habilidade oral ele teri que fazer um curso num instituto de idiomas. Obviamente, esta maneira de ver o problema não deveria ser tomada ao pé da letra, uma vez que significaria uma retorno ao antiquado método de aprender inglês pela tradução.

Dito isso, minha proposta para preparar nossos professores deveria enfatizar a importância de permitir que os professores se sintam livres para utilizar uma abordagem eclética em suas aulas de idiomas. Presumo que isso seja um modo democrático de enfrentar o processo de aprendizagem de línguas. Naturalmente, não estou defendendo um princípio de ensino que poderia conduzir aos caos ou irresponsabilidade.

Nosso programa de treinamento não seria restrito a apenas assistir conferências que podem ocultar o objetivo de tentar compelir professores a adotar este ou aquele livro didático. Ao contrário, nosso programa de treinamento levaria em consideração compensar deficiências de nossos professores em todas as habilidades da língua. Nós, professores, não deveríamos ter a timidez de assistir a aulas ministradas por professores competentes. Não nascemos sabendo. Poder-se-ia proporcionar este trabalho de aperfeiçoamento de deficiências durante o período das férias, em julho ou n o final do período letivo.

Outro tópico de interesse em nossa proposta é chamar a atenção de nossas autoridades educacionais para o problema de sobrecarregar o professorado com um horário muito rígido que não lhe permite desenvolver sua função convenientemente. Torna-se fisicamente impossível dar 4 ou 5 aulas de línguas sucessivamente empregando-se técnicas de ensino como as exigidas pelos mais recentes avanços do ensino de línguas estrangeira. Nem mesmo num curso de línguas esse procedimento funcionaria satisfatoriamente, quanto mais nas escolas municipais.

4. Conclusão

Nossa proposta tem em mente a objetividade. Sendo eclética, ela não exclui absolutamente a habilidade oral. Nem tampouco exclui toda  a experiência do passado que demonstrou ser útil durante anos. Cabe ao professor ver o que seus alunos de fato necessitam para aprender uma língua estrangeira. Um professor plenamente familiarizado do ponto de vista do domínio da linguística não representa tudo se os problemas e os objetivos do educando não forem levados em conta. Um bom livro didático, um professor rigoroso mas sem empatia, que não conquiste os corações de seus alunos, significa muito pouco.

Não compensa exigir muito, usar apenas a língua-alvo, falar em inglês só por falar, dar conta de muitos exercícios ou fazer os alunos papaguearem exercícios de repetição se o rendimento dos alunos é quase nulo quando submetidos a uma avaliação honesta.