sábado, 27 de maio de 2017


     [The Portuguese translation of this text is just below it]                                                                     

                                                                                 By  Cunha e Silva Filho

           The theme that I chose for this meeting belongs to the kind of debate which cannot be left aside having in view its nature  of being a topical issue as well as its higly controversial character. I say  polemic  because it brings  up to its main thematic core the question of post-truth which, furthermore,  is not something so  new and  it even could  be traced back to a remote past as well as  in  not so remote past years along the history of mankind,  mainly in the political  world sphere. In other words,  in all the periods  of human life in which  men in general are called upon to give their opinions on truths and their  opposite side i.e.,  lies.
      However, for the discussions of my theme now proposed to the emminent partipants of this Virtual Hall, I will not make  any exposition of a historical, scientifical and philosophical nature. My interest aims at tackling the question  in terms of   their effects on  present political  life in the world and my views  are  based on concepts here  arosen, with the    purpose of being as much objective and clear as  possible  along the unfolding of this text.  On the other hand, I do not have the intention of theorizing on politics as woud do  political  scientists, inasmuch as my special field  of researches  is literature. Therefore, I simply desire to make  some connections between political life and the debate of my main topic.
         Suppose someone in this meeting  asks a professional in the field of medicine, for example,  about the concept  of post-truth, someone  who is not knowlegeable about matters that chiefly  concern the role of  politicians in today’s world,  as well as the role of written and virtual   press and other kinds of media. It is quite probable that the professional  will not  know how to answer to it and what is more,  he  will perhaps  say he had never heard  about    the phrase.
        As it is,    it si high time  we put the question  for discussion on a world scale, so as  to  account for the meaning of this phrase which, in 2016, was statistically the most   spoken  expression to the  point of becoming an entry in the well-known Oxford Dictionary. Post-truth is thus  explained:  “relating to or  denoting circumstances in which  objective facts are less influential in shaping public  opinion than appeals to emotion  and personal  belief.”In other words,  to begin with, the term  post-truth is opposed to  objetivity or lack of objectivity, being that for the  public  opinion in general, it will prevail or not  according to each person’s  cultural background  and  education  level.
      But we cannot  assure that, even in such  a situation, the person  is not  liable to being  biased  or unbiased in their opinions and views. The  risk of  accepting a post-truth  piece of information, in whatsover   condition,  is  a step foreward towards accepting lies disguised as real facts. I cannot deny, however,  that the post-truths  are artful and a threat to the uncautious  individual. So, one has to be on our guard against falling  into a trap  in the domains of  current  information  from all sides, national and abroad.
     If for  philosophical conscience, the truth  (see in Plato) ought to be the great  purpose  on the part  of the individual, in today’ conditions worldwide and in the sphere of communication in all its forms, this serch for truth  is being neglected. Such a  fact  originates  one of the evils of  life in a globalized world, at least for those nations  we know better, which are situated in the West.  The fear everywhere is  a  tendency  to the acceptance of subjectiveness  when facing objetive facts.
      As there is not a single subjectiveness  for all persons considered  as a whole, but  individuals with their specfic  subjectiveness who  think and reflect on their own, there is a risk for some of them representing  groups or  considerable part of the population of a country to be co-opted by a given ideology. And under such  a circumstance,  the individual  becomes  a partisan, thus accepting  all the orientation   imposed  upon them  subrreptitiouly by  a political party. The fact remains  that, on  internalizing the principles of a party,  the individuals  become blind to its errors and  wrongdoings. What will prevail from then on will be the determinations, for better or for worse,   of leaders of such a party. What is more serious,  such an engagement  occurs irrespective of  the  education level and of the social  conditions of  each  person.
    This  posture of an individual or group   of individuals or even of a whole collectitviy implies an ethic  and moral  behavior or the breaking of  it. If in these  three situations  their posture is considered correct and accepted, then a body of doctrinary  principles is put into practice and its application  in politics may lead followers either to the left-wing, right-wing or to  the extreme right-wing  or centre-wing or of other ideological doctrines.
     When their leaders  take over power, none of them will want to leave their position conquered, let alone their privileges. They will do everything to  remain firm  in  power until the end of their mandate, or, according to the political system, they may haave one more mandate in case they are reelected. Of course I am  referring to  democratic  countries, not to dictatorship rulers.
   In dealing  with the concepts of ethics or moral,  the bad  leaders of parties in order to  keep on in power, will not think twice to forget  any traces of ethic values. The same is true for  dishonest  politicians and the  for their  partisans. This posture  accounts  for the heating  divergencies, sometimes with  violent means, between  situation and opposition in  political   life.
     With reference to  left-wing parties, just to give an exemple of a typical  prototype of ruling a country,  the periods of governments of PT in Brazil, I would say that everything was admitted in   the actions of  these rulers, even breaking the laws or discarding  ethic values. How so?  All was done (so it was implied in their   leader’s mind as a friend of mine reminded  me of )  on behalf of  decreasing the level of Brazil’s  extreme poverty and of other social problems. One cannot deny that a lot of social    improvements   were  successful under the leftist rulers. However, this is only half  the truth as  we cannot hide the fact that in the  governments  of Lula and Dilma political   corrruption  skyrocketed. People also   require  of a ruler  that he/she  behave honestly and act with ethics with  the exception of followers of leftist partisans who behave themselves as accomplices  of foul pratices.  inasmuch as, to some extent,  they are more vehement than the genuinely democratic rulers.  At least, this seems to me in  what I have seen in my country with reference to unlawful practices against public money.
      Just to give one good exemple in my country:  the “Escândalo do Mensalão.”   This was the first sign of a leftist  government  that would  certainly collapse due to its so many  political  and financial  corruption scandals. The  PT (Workers’ Party ) in a way,  broke into pieces. The Operation  Lava-Jato sums up  what has been left of this  party, especially with  the recent  ex-president Lula’ testimony  before  the Federal Judge  Sergio Moro.
    The investigations carried out by “Operação Lava-Jato” and its subsequent  phases   provide us with a typical example of the use of post-truths owing to several  versions of the facts and of the contradictions and denials between the members involved in the scandals and the facts investigated by the Brazilian Federal  Police and the Prosecuting Counsel
    It takes for granted that Brazil  has lived its most  troublesome political  and financial crisis for the past fifteen  years owing  to   its topmost  level of political  corruption and its  spurious relations between  public institutions and private business resulting in the wide  use of bribe practices benefiting both unscrupulous  politicians and  corrupt wealthy construction companies. Moreover, the political corrruption extended to  payments  on the part of companies  through the use of bribes giving out to politicians  to finance their  campaigns in exchange of future   advantages after they were elected. Moreover, large use of   bribery would be employed as much  for political  campaigns as for foul enrichment advantages.  Later, for  dishonest   businessmenbribery would serve,  in  turn, to get financial benefits from politicians in case they were elected.
    No wonder that such  unworthy practices of public institutions would cause indignation in  society and would  degrade the image of  politicians  in general. On the other hand, the   leftist party and their  partisans  still denied  all the  truths concerning  these  scandals, while the oppositions vehemently criticized the PT. On  the other hand,  it is  well known that several  parties of  the opposition, especailly PMDB, and PSDB  have also  been  investigated  by the  Federal Police for similar reasons: corruption and  bribes.  Under  this unfavorable and  gloomy situation.
   Demonstrations from opposition became to grow and grow  demanding the impeachement of President Dilma. She lost power and in her place Michel Temer  replaced her promising to  moralize  the country and try to  put it in order mainly  due to prevaiing economical and political  crisis, as well as high  unemployment   rates.
    I am not going  - as I said before - further into  only political  issues (though it is hard to separate the nucleus  of my theme from political  implications) because my main  objetive is to point out  the  question of post-truth and its intimate  connections  with political  ways of  conveying  information  that are to be denied,  sooner or later, and have serious  consequences  in public  opinion today, not only in Brazil but also  anywhere. For sure this  kind of  statements or denials will bring out  serious damages   in the peoples’ choices of    candidates  for  political  functions  or mandates.  What  post-truths  instil in people’s opinion is too strong and at same time  bring about bewilderment among  themselves, as well as doubts  and ambiguities. 
    We  can feel this  social  phenomenon in the domain of  information  much more nowadays  with the  advances of  media where the  Internet  plays an important role that may lead people to misinformation   or misunderstandings mainly on social websites, not mentioning a lot of  friendship that are  broken up  because of  political divergences or the use of post-truths.   Thus, post-truths, in my view, are always  noxious. The difficulty lies  exactly in discerning between   truths and lies and the answer to this dilema  one might  only find  in a  more  learned culture,  i.e.,  in the possibility of  improvementas   of  a country  system of education.    However, someone might  ask: “What about  people who are learned but still choose  the wrong side? This discussion would lead us to endless  hours of  dialogs. I myself do not have  a definite  opinion about  this  dilema. Probably a lot of people do not have it.
    It is well known that in some other  governments political  life, let us say, in Venezuela, Syria, Turkey and others, their societies  go through the same problem  of a cleavage between  the governments and their  population  as far as political  preferences  are concerned. Brazil is now facing this crucial problem All past centuries had  their problems.
    However, on the  20th century  and chiefly on these sixteem years of  the 21st century the world has witnessed quite different  forms  of  living in   an    era of a globalized world and all its  good and bad  novelties,  the main  one of which  was the  surprising  advances  in  science and technology coupled with the virtual world, the cyber-space.
     That is why  I  saw as important  the  remarks  made by one of the daughters, Marina, of  a great Brazilian  literary  critic who died  recently. His name is Antonio Candido. In a report  published in O Globo (May 13, 2017) she stated  her opinion on the critic: “ {...] he lived experiences of the XIX century and he lived almost all the XX century, The XXI century did not  please him.”(italics mine).  A word to the wise, I would add.
     Countries such as those mentioned above represent other illustrations in which the “ official  truth” or alternative facts  do not match with  the real  truths  of facts. That is to say, data and information  collected by the Federal  Police  in Brazil are not confirmed by the accused  and so public opinion either may accept versions of the investigations or deny them according to  the  political parties  they support. That is the rub. People think differently, have their own convictions and wil not change them overnight. It is under these  circumstances that  the post-truths   enter the game and as such  confuse  people no matter  what cultural background they may  have, as I have already  stressed in this text.
     Governments in power, especially in the condition of dictators, vehemently deny their  mistakes and their   evil deeds practised againt part of  society. To do so,  they resort to press censureship as hard as possible, they  persecute their opponents, they order massacres and other criminal actions. Notwithstanding that,  international  media  get to   escape censureship and send press information  abroad, maily nowadays when we have at our disposal the  tools to get information  from: Internet,  cells, audios, videos  etc.
    The common man anywhre gets stunned at a bulk of information that comes to his knowledge. He compares offcial  versions to press versions   from the press or other media. In doing so he still remains  impotent to make judgements and evaluations  about  the growing  quantity of information on behalf or against facts and events that happen inside his own country or abroad.
            In undeveloped and even in developing countries, the uneducated masses are easy preys  for political parties, whether they be from the left or from the right. In these countries, the left as much  as  the right and  even communists in power, the  problem became  still worse. In a way,  generally this population  is  politically alienated and so does not care about  what is really  happening  in the country. They just think about their  survival.   Brazil is a good example of this situation.
     Actually,  deep down,  independent of ideologies,  he/she  who  gains power through democratic   form or as a dictator will constitute  politically  the elite which will govern for some limited  time, as in the case of democratic governments, or will  remain in power for  a long and indefinite  time, as in the case of dictatorships. However,  the elites in both  situations of governing a country,  enjoy privileges, sometimes too excessive  in nations where a considerable part of   their  people is poor or extremely poor. Someone may argue that   privileges are quite normal  and they are part of power game. Nothing so far from  truth. Furthermore,  one cannot  deny the fact that,  even in some democratic  nations,   when  some  rulers take office,  they  may change  their  behavior,  becoming sometimes  full of  vanity or authoritarian. So some democracies seem  to me nowadays. Power is  sometimes not so  far from  authoritarianism.
   The followers of political parties, chiefly those from the left – it is what I have noticed  lately, at least in Brasil -   on become adversaries of those who do not  share their political  plataform, show themselves extremely  intolerant, more  resembling  the behavior, mutatis mutandi,  of a soccer team  phanaticism. They think themselves  the only   holders of truth and of the best  way of ruling a society. The worst thing  is that, in practice,   their leaders, their  politicians  behave themselves after the burgoisie fashion of neoliberals. Who enjoys so much  the  products of capitalism  and its style of life. The prefer  the most elegant  social  spaces of world metropoles, the best restaurants, the best wine, food  and beverages, their  private  planes and  expensive  new-brand cars. The only struggle for their own financial  selfish  interests. On the other hand, The rabble goes on in the struggle for life, fighting for survival and for a mean, no-nothing way of living alienated  and little or not  all   worried  about  their rulers’s misdoings  and  lavishness.
    The question of  post-truth does not restrict itself to  saying lies and behave  uttering  irresponsble fake  news that will result in so many  interpretations. What matters most  is that they may  produce  bewilderment   that, in the  end,   will benefit  them in a way or another.  The use of post-truths by a president like  Donald Trump spreading out so many braggings in a  world  with a political and  confusing scenario  is, in my view,  one of the  manners of coming to power nowadays, not forgetting the fact that he did not have any previous experience in political life.   Besides, his  victorious  election  counted on  his doubtful  statements and extravagant promises to conduct his government.    
       Moreover, his victory was not due to  his firm and ethic attitudes, but to marketing  strategies and even to the resource  of signalling, during his campaign, diplomatic  approximation  with Russia. Also,  one could not  put aside in his  presidential race to the White House his unorthodox  ways of using counter-information to discredit  his opponent, Hillary Clinton, by spreading news  which referred to secret  government data that Hillary was supposededly storing in  her private e-mails. These tricky forms in political  domain are real  exemples of post-truths use.
           The truth, sooner or later, will come although it may delay sometimes, whether it be in the USA, Russia, Syria,  Venezuela, Turkey or Brazil. The truth was not  with Hitler,  Mussolini, Salazar and other dictators. History has shown all this in details. Then again, I would advance  to affirm that, in the future, even in countries where communism or discritionary governments rule with iron hands, it will be likely that  the winds will  blow differently  in a world that claims so much for freedom of speech and for the right to of everyone to  exert their  individuality when each man or woman may make their  options freely, without the tutelage of   the State. Of course, this  is a rather optimistc view of mine.   
    To carry out a great  change in the political activity necessary to  improve life conditions of citizens the world over it would be necessary  to invest massively in Education not only taking into account   the cumulative acquisition of newest technical and scientific  knowldege and high level researches by providing effective pedagocial and educational  tools  aiming at improving distorted attitudes in the midst of young people, such as excess of consumism, dishonest  competiviveness, lack of spiritual and ethical values, disdain for  a healthy living and one of he worst evil of the unduly called contemporary “civilization: the use of drugs. I guess this is  one the  best ways  to free individuals from a harmful   behavior. 
     Education (with a capital  “E”) is the key to the development  of a country. Ony through it is it   feasible to transform man according to  healthy pratices of  ethic and moral  values of leading one’s life. There is not a  single great and wise man  in the world who does not  think  about these issues   under the same humanistic  view. But Education  will only bear good  fruits if  accompanied by the cooperation  of  families also  commited  to ethic values and with  a humanistic and spiritual dimension we are so  bereft  of in our contemporary  life.
     Only through an education system deeply  commmitted to the   civic and integral formation of a citizen, a system  that actually   might stimulate the practices  of cultivating  the truth from childhood to adult life, by setting good exemples of honesty and justice and  by starting  with  experiences seen in well formed  homes, will we be preparing  good citizens  for the future.
      I know these  goals are difficult to  be reached, but they are not impossible.What we must not admit is the perpetuation of  abominable  practices of   spreading out  false  distorted and manipulated  information such as the ones  we hear and  see on TVs,  read  in papers  or  come to know from other media. Fake information  from  rulers of a country or from  politicians and their partisans,  whether  from the right or from the left, must be thwarted. It is mandatory to fight these abhorrent  practices and punish their leaders or sympathizers. Should they continue conveying fake information, we  will never see but nations in which their people  will continuously  be divided,   or better,  we will be seeing  brothers of the same country becoming enemies  among themselves as seen  in so many parts of the world. Down with post-truths culture!

Note to the reader: This text was presented to the 2nd International Virtual  Hall of Arts and Literature.


                                                                                     Cunha e Silva Filho     

        O tema escolhido para este encontro agrega um    tipo de discussão que não se pode subestimar tendo em vista  que, pela sua  natureza,  diz respeito a uma questão muito atual, assim como  possui  um  caráter altamente polêmico. Digo polêmico porque traz à tona como núcleo central a questão da pós-verdade, a qual, ademais,  não é algo tão novo e mesmo poderia remontar a um passado  remoto assim como  não tão remoto  na História da humanidade, mormente na esfera da  política mundial. Em outras palavras, em todos as fases da vida humana nas quais os homens são convocados a emitir opiniões  acerca de verdades ou de seu oposto,   i.e.,  mentiras.
     No entanto,  nas discussões deste tema ora proposto aos eminentes participantes deste Salão Virtual, não  farei  exposição de natureza histórica, científica e filosófica. Meu interesse visa  a tratar da questão em termos de seus efeitos sobre a vida política no mundo e minhas opiniões se fundamentam em conceitos aqui levantados, com  a finalidade de ser o mais objetivo e claro possível no desdobramento deste  texto. Por outro lado, não é minha intenção teorizar sobre o tema como um cientista político. As ideias expendidas neste texto expressam pontos de vista  pessoais, mas refletem meu amadurecimento, minha experiência com leituras gerais,
      Suponhamos que alguém indague de um  profissional no campo da medicina, por exemplo, a respeito do conceito da pós-verdade, alguém que não seja familiarizado com  assuntos que digam   respeito sobretudo ao papel  dos políticos no mundo atual, assim  como ao papel da imprensa escrita e de outras espécies de mídias. É bem provável que o  profissional não saiba responder àquela pergunta e mais, talvez nunca  tivesse ouvido  falar da expressão.
Sendo assim,  já passa da hora de colocarmos a questão para um debate em escala mundial,  a fim de darmos  conta do sentido dessa expressão que, em 2016, estatisticamente foi a  que mais se ouviu a ponto de tornar-se um verbete no conhecido Dicionário  Oxford, no qual a pós-verdade é assim  definida:  [...] reporta-se ou denota circunstâncias em que fatos objetivos são menos  influentes para moldarem  a opinião pública do que apelos  à emoção e à crença  pessoal.” Em outras palavras,  para início de conversa,  o termo pós-verdade se opõe à objetividade ou ausência de objetividade, sendo que para a opinião pública em geral,  ela terá maior peso ou não, de acordo com o nível  do  repertório cultural e formação escolar  de cada indivíduo.
Todavia,  não se pode assegurar que,  mesmo em tal situação,  a pessoa não seja sujeita a opiniões e visões  preconceituosas ou não. O risco de aceitar uma informação pertinente à pós-verdade, não importa  em que condição,  é um passo  a mais direcionado  a aceitar mentiras  mascaradas  de fatos   autênticos. Não posso  negar,  entretanto,  que as pós-verdades sejam  ameaças cavilosas aos desavisados. Portanto,  temos  que  permanecer vigilantes a fim de não sermos  vítimas de uma  armadilha nos domínios das informações divulgadas vindas de todos os lados, nacionais ou  internacionais.
Se para a consciência filosófica, a verdade ( veja em Platão), deveria ser uma grande objetivo  por parte do indivíduo, nas condições atuais em âmbito mundial  e na esfera da comunicação em todas as suas  formas, essa busca da verdade está sendo colocada em  segundo plano. Tal fato configura um dos males da  vida num  mundo globalizado, pelo menos para as nações que  mais conhecemos, as situadas no Ocidente. O medo, em toda a parte, segundo percebo, é que há uma tendência à aceitação do  sujeito quando  confrontado com  os fatos  objetivos.
Como não existe uma subjetividade única para todas as pessoas tomadas em conjunto, mas  indivíduos com específica subjetividade  que pensam e refletem por si mesmos, há um risco de que algumas  delas representando grupos ou considerável  parte da população de um país,  sejam cooptadas por uma determinada ideologia, E em tal  circunstância,  o indivíduo   se torna  partidário, aceitando, assim,  toda a orientação  imposta sub-repeticiamente  por um partido  político. O fato é que, ao internalizarem os princípios de um partido, os indivíduos tornam-se cegos aos erros e malfeitos  do partido.
O  que prevalecerá,  daí em diante,  serão as determinações, para melhor ou para  pior, de líderes de tal partido, O que é mais grave,  tal  engajamento  acontece independente  do nível de escolaridade e das condições sociais de cada pessoa.
A postura de um indivíduo ou grupo de indivíduos ou até de um todo coletivamente considerado,  implica um comportamento  ético e moral ou a sua ruptura. Se nas três situações, sua postura for considerada correta e aceita, então um corpo de princípios doutrinários é posto em prática e sua aplicação na política pode levar seguidores ou à esquerda, direita, extrema direita, centro, ou de outra coloração ideológica.
Quando seus líderes  assumem o poder – o que é natural em todo ser humano - nenhum deles desejará deixar a posição  conquistada, muito menos seus privilégios.  Farão tudo para se manter  no poder  até ao final de seus mandatos ou, conforme o sistema politico, terão mais um  mandato caso sejam  reeleitos. Naturalmente, me refiro a países democráticos, não a ditaduras.
Ao lidar com conceitos éticos ou morais,  os maus  líderes de partidos, a fim de se manter no poder, não pensarão duas vezes para esquecerem  qualquer vestígio de valores éticos. O mesmo  diria para  políticos desonestos e seus prosélitos. Esta postura explica  as divergências  inflamadas, por vezes por meios violentos, entre situação e oposição na vida  política.
Com referência a partidos da esquerda, apenas para dar um exemplo  de um  típico protótipo de governar um país, os períodos dos governos  do PT (Partido dos Trabalhadores), diria que tudo se admitiu  nas ações  destes  governantes,  até passando por cima das leis e descartando valores éticos. De que modo? Tudo se fez ( assim estava implícito na cabeça  de seus líderes, consoante   me   fez lembrar um amigo meu) em prol da diminuição do extremo nível de pobreza do Brasil ou de outros problemas sociais.
Não se pode  sonegar o fato de  que melhorias  sociais tiveram  êxito sob os governantes  da esquerda. Entretanto,  isto é apenas uma meia  verdade, visto que não se pode esconder o fato de que nos governos de Lula e Dilma  a corrupção   atingiu  pontos extremos. Exige-se de um governante   que ele/ela  se comporte honestamente e aja com ética, com a exceção  dos partidários  esquerdistas que se comportam  como  cúmplices de práticas delituosas. Além disso,  os seguidores  esquerdistas,  de uma certa forma, são mais autoritários do que governantes genuinamente democráticos. Pelo menos,  me parece  ser o que tenho visto em meu país.
Só para dar um bom exemplo no Brasil, com  relação práticas  lesivas às  finanças públicas é  o  do  “Escândalo do Mensalão,” o primeiro  numa sequências de outros  que vieram a público. Este foi o primeiro sinal de um governo da esquerda que seguramente  não se sustentaria em face de muitos escândalos  de corrupção política e financeira. A operação Lava-Jato resume o que sobrou do PT, sobretudo com  o  depoimento do ex-presidente Lula diante do Juiz Federal Sérgio Moro.
As investigações levadas a cabo pela “Operação Lava-Jato” e suas fases  subsequentes nos  oferecem um exemplo típico do uso da pós-verdade se deveram  às várias versões dos fatos e das contradições e desmentidos entre os membros envolvidos nos escândalos e os fatos  apurados pela Polícia Federal e pela Ministério Público.
Não é preciso  afirmar que o Brasil tem vivido sua mais  tormentosa crise  política e financeira nos últimos  quinze anos em razão de seu altíssimo nível de corrupção política e de suas espúrias  relações entre instituições públicas e  empresas privadas, que resultaram no largo uso de praticas de  propinas beneficiando tanto políticos inescrupulosos  e ricas  empresas de construção. A par disso,  a distribuição de propinas  a políticos seria tanto para financiar campanhas quanto para enriquecimento  ilícito. Para  empresários desonestos, a propina  serviria para obtenção de vantagens  financeiras  de políticos após estes serem eleitos.
Não é de admirar que tais práticas  indignas feitas por  instituições governamentais provocariam indignação na  opinião pública e manchariam a imagem dos políticos em geral. Por outro lado, o partido da esquerda e seus sectários persistiam em desmentir todas as verdades concernentes aos escândalos, ao passo que a oposição criticava veementemente o PT.   É do conhecimento geral que vários partidos da oposição, em especial  o PMDB e o PSDB  têm sido  igualmente investigados pela Polícia Federal por motivos  semelhantes: corrupção e propinas. Diante deste quadro desfavorável e sombrio,  manifestações da oposição  se tornaram cada vez maiores exigindo o impeachment da Presidente Dilma. Ela perdeu o mandato e, em seu lugar,  assumiu Michel Temer, seu vice-presidente que prometeu moralizar e colocar nos trilhos   o país, em virtude da persistência da crise econômica e política bem como dos altos índices de desemprego.
Segundo já salientei, não vou me cingir somente  às questões  políticas propriamente ditas ( embora seja difícil separar o núcleo do meu tema das implicações políticas),   porquanto meu objetivo é concentrar-me na pós-verdade e  nas suas íntimas  ligações com formas   políticas na transmissão de informações que são desmentidas,  cedo ou tarde, e têm  sérias consequências na opinião  pública, não somente no Brasil mas também em qualquer parte. Obviamente,  este tipo de afirmações ou desmentidos causará profundos prejuízos nas escolhas feitas pelo povo  de candidatos  a mandatos políticos. O que as pós-verdades instilam na opinião das pessoas se me afigura muito forte e ao mesmo tempo acarreta perplexidade entre  si, e bem assim dúvidas e ambiguidades.
Podemos  sentir este fenômeno social no domínio da informação muito mais hoje com os  avanços   da mídia na qual a Internet desempenha   um papel que pode conduzir as pessoas à desinformação  ou  a  equívocos, mormente nas redes sociais, sem falar nas muitas amizades  que,  por divergências  políticas,  se desfizeram  em decorrências  do uso da pós-verdade. Destarte,  pós-verdades,, em meu juízo,  são sempre nocivas. A dificuldade reside exatamente  em discernir  entre verdades e mentiras e a resposta a este dilema pode-se  encontrar numa formação cultural mais  desenvolvida, i.e., na possibilidade de aprimoramento do sistema  educacional   de um país. Todavia,  alguém poderia  argumentar: “E as pessoas que são  letradas mas ainda fazem  opções erradas?” Esta discussão conduzir-nos-ia a horas a fio de conversas.. Eu mesmo  não tenho ainda   uma opinião firmada  acerca deste dilema. Provavelmente,  muitos não a tenham.
É notório que em alguns governos de outros  países, digamos, na Venezuela,  Síria, Turquia,  por exemplo, suas sociedades atravessem quase  os mesmos  problemas de uma clivagem entre  partes da população no que tange  a preferências  políticas, i.e., aqueles que são a favor do governo e aqueles que são contra ele. Todos os séculos passados tiveram seus problemas,
Contudo,  no século 20, e principalmente nestes dezesseis anos do século 21, o mundo testemunhou formas bem diferentes formas de viver numa era globalizada  com todas as suas boas ou más novidades,  a primeira das quais foram os avanços surpreendentes na ciência e tecnologia combinados com o mundo virtual, o cyber-espaço.
Eis a razão pela qual reputei importante as observações feitas por uma  das filhas, Marina,  de   um grande crítico literário brasileiro que faleceu recentemente. Seu nome é Antonio Candido. Numa reportagem publicada em O Globo  (13 de maio de 2017),ela   afirmou sua opinião sobre o crítico: “[..] ele viveu experiências do século 19  e viveu quase todo o século  o século 20. O século 21 não lhe  agradava. (grifos meus). A bom entendedor meia palavra basta, acrescentaria eu.
Países não democráticos tais como aqueles já citados anteriormente representam outros  exemplos em que “verdades oficiais,” ou “fatos alternativos, ” poderiam ser rotulados de pós-verdades.  Ou seja,  como no caso  brasileiro, dados e informações coletados pela Polícia Federal não são confirmados pelos acusados e, assim, a opinião púbica pode aceitar  ou não versões  das investigações ou negá-las  consoante os interesses do  partido político que apoiam. Aí está o busílis. Pessoas pensam diferentemente, têm suas próprias convicções e não as mudarão da noite para o dia. É nestas circunstâncias que a pós-verdade entra no jogo e como tal confundem  as pessoas não importa qual seja seu repertório cultural, segundo já acentuei.
Governos   especialmente na condição de ditadores, negam com veemência seus erros e suas atos de maldades perpetrados contra uma parte da  sociedade. Para consegui-lo, recorrem à censura de imprensa tão duramente quanto possível, perseguem os adversários, ordenam massacres e outras ações criminosas. Apesar disso,  a mídia internacional consegue despistar a censura e envia informações para fora do país, sobretudo atualmente quando se tem à disposição os instrumentos para conseguir informações  da Internet,  celulares , áudios,  vídeos etc.
O homem comum em qualquer lugar fica atônito com uma grande quantidade de informações que lhe  chegam ao conhecimento. Ele compara versões oficiais com versões da imprensa ou de outros meios de comunicação. Ao fazer isso, ainda permanece impotente para fazer julgamentos  e avaliações acerca da quantidade crescente de informações  a favor ou contra fatos e acontecimentos que ocorrem dentro de seu próprio país ou no exterior.
Em países subdesenvolvidos e mesmo em desenvolvimento,  as massas ignorantes são presas fáceis dos partidos políticos, quer sejam da esquerda, quer da direita. Com a esquerda tanto quanto  com a direita no poder (neste aspecto,  não há muita diferença ), a população pobre ou miserável, politicamente alienada, pouco se importa com o que na verdade está acontecendo no país. Apenas pensa na sobrevivência a todo custo. Numa palavra,  o Brasil é um bom exemplo desta situação.
Na verdade, no fundo,  independentemente de ideologias, ele/ela  que assuma o poder por vias democráticas ou como ditador formará politicamente  a elite que governará durante um período limitado, como é o caso dos governos democráticos, ou permanecerá no poder por um longo e indefinido tempo, caso das ditaduras. As elites, todavia,  em ambas as situações de governança,  desfrutam de privilégios, por vezes em excesso em nações na quais parte ponderável do povo  é  pobre ou extremamente  pobre. Algumas podem argumentar que isso é normal  e faz parte do poder.  Nada tão distante da verdade. Além disso, não se pode esquecer o fato de que, mesmo em nações democráticas, quando seus governantes tomam posse, eles podem mudar de comportamento, tornando-se às vezes cheios de vaidade ou autoritarismo. Assim me parecem algumas  democracias atualmente.
Os sectários de partidos  políticos, principalmente da esquerda – é o que tenho percebido ultimamente, pelo menos no Brasil -,  tornam-se extremamente  intolerantes com quem  não partilha de sua plataforma  política, mais  lembrando, mutatis mutandi,  o comportamento fanático de torcedores de um  time de futebol.  O pior é que, na práxis, seus líderes, seus políticos se comportam à moda burguesa de neoliberais, que usufruem  tanto dos produtos do capitalismo e do seu estilo de vida. Preferem os mais elegantes  espaços sociais das  metrópoles mundiais, os melhores restaurantes, os melhores vinhos, alimentos e bebidas, os melhores jatinhos  e carrões  da última  moda. Lutam apenas pelos  seus interesses financeiros  egoístas.
A questão da pós-verdade não se restringe propriamente a afirmar mentiras e proferir notícias  falsas e irresponsáveis que resultarão em tantas interpretações. O que  importa  mais é que elas produzam perplexidade que, no final  das contas,  beneficiarão alguém  de uma maneira ou  outra. O emprego da pós-verdade pelo Presidente Donald Trump divulgando  tanta bravatas, num mundo com um cenário político  confuso, é, a meu ver,  uma das formas de chegar ao poder  hoje em dia, sem esquecer a circunstância de que o presidente americano não possuía nenhuma experiência anterior na vida  política.
 Além disso, sua eleição vitoriosa se deveu também às suas declarações e promessas extravagantes para conduzir seu governo utilizando-se de bandeiras e slogans nacionalistas. , do tipo “A América para os americanos” ou coisas do gênero. Sua vitória, aliás, não devido  às atitudes firmes e éticas, mas a estratégias de marketing e até ao recurso de sinalizar, durante sua campanha,  duvidosas  novas aproximações diplomáticas com a Rússia, sobretudo tendo em vista  ser ele um capitalista  milionário. Não se pode também  deixar de lado em sua  corrida à Casa Branca,  seus meios inortodoxos  de utilizar informações duvidosas  a fim de desqualificar sua adversária,  Hillary  Clinton, divulgando notícias que se referiam  a dados  governamentais que Hillary supostamente  acumulava em seus correio eletrônico  particular. Estes meios  ardilosos na política  são verdadeiros  exemplos de usos da pós-verdade.
A verdade, cedo ou tarde, emergirá posto que por vezes possa  demorar, seja nos EUA, Rússia, Síria, Venezuela, Turquia, ou Brasil. A verdade nunca esteve com Hitler, Mussolini, Salazar,  Franco e outros  ditadores. A História já mostrou tudo isso em detalhes. Por outro lado,  adiantaria para afirmar que, no futuro,  mesmo em países onde o comunismo ou governos discricionários tomam as rédeas com mão de ferro, é provável que os ventos soprem diferentemente num mundo que clama tanto pela liberdade de expressão e pelo direito de todos de exercerem  sua individualidade quando cada homem ou mulher possam  fazer suas opções livremente, sem a tutela do Estado, Obviamente, esta é uma visão  minha algo otimista.
Para levar a cabo uma grande mudança na atividade  política, é imperativo  aprimorar as condições de vida no mundo inteiro, assim como  investir  maciçamente na Educação não  somente levando em conta  a aquisição cumulativa de novos conhecimentos técnicos e científicos em pesquisas de ponta, mas ainda  fornecendo  efetivos  instrumentos pedagógicos e educacionais  visando a melhorar atitudes  distorcidas  no seio da juventude,  como excesso de consumismo,  competitividade  desonesta, egoísmo,  ausência de valores espirituais e éticos,    desprezo pelos saudáveis hábitos  de convivência humana  e um dos piores  males da  indevidamente  chamada  “civilização” contemporânea: o uso de drogas. Penso que a Educação seja uma das mais decisivas formas de livrar o indivíduo de um  comportamento prejudicial.
A Educação (com E maiúsculo)) é a chave do desenvolvimento de um país. Somente através dela é exequível a transformação do homem segundo práticas saudáveis de conduzir a vida.  Acredito  que não há um único grande e sábio homem no mundo que pense diferentemente em todas  estas questões à luz da mesma  visão humanística. A Educação,  contudo,  só dará frutos se acompanhada da cooperação da família comprometida com  os valores  éticos e com uma dimensão -  repito – humanística e  espiritual de que estamos  tão necessitados. Somente através de um sistema de educação profundamente comprometido com a formação cívica e  integral de um cidadão que na realidade estimule as práticas do cultivo da verdade da infância à vida adulta, dando bons  exemplos de honestidade e justiça e começando com as experiências vistas em lares bem  constituídos, estaremos preparado bons cidadão no futuro.
Sei que estas  metas são difíceis de serem atingidas, porém não são impossíveis nem  tampouco utópicas. O que não devemos admitir é a perpetuação de práticas abomináveis de divulgação de notícias falsas distorcidas e manipuladas tais como as que ouvimos e vemos nas TVs, lemos nos jornais ou que nos chegam ao conhecimento por outros meios de comunicação. Informações falsas vindas de governantes de um país ou de políticos e seus seguidores, seja da direita ou da esquerda, devem ser  repelidas. É imperativo combater estas práticas repudiantes e punir os  responsáveis  por elas (governantes, políticos e prosélitos).
No caso de continuarem transmitindo informações fraudulentas, não veremos senão nações em que seu povo continuamente  será dividido, ou melhor,  veremos  irmãos do mesmo  país tornarem-se inimigos  uns dos outros conforme vemos em tantas partes do mundo. Abaixo  com a cultura da pós-verdade!

Nota ao leitor  Este texto foi apresentado no 2º SalãoVirtual  de Artes e Literatura

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Histórias de Évora: uma ficção de erotismo, amor e saudade

O mistério das letras tem isso de atraente: torna-se mais espesso à medida que se tenta dissipá-lo.

Tzvetan Todorov,  As estruturas narrativas.

                                                                            Cunha e Silva Filho

        PRELIMINARES. Mais conhecido como  um   respeitado poeta no seu Estado,  o piauiense Elmar Carvalho  não poderia  se considerado  um estreante  no gênero da prosa de ficção. 
         Há tempos tem escrito pequenos  textos  que se poderiam  chamar de  contos,  narrativas regionais  que misturam “realidade’ ficcional  e imaginário popular e folclórico,  adentrando-se até, em grau menor,  em textos de cunho  fantástico ou mágico que contribuem  para  um pitoresco  painel   dos costumes,  hábitos  da paisagem  interiorana  piauiense,  de cidades do interior  de seu estado natal. Lendo muitas deles, não me furto a fazer  uma analogia com alguns textos narrativos de viés sobrenatural com algumas narrativas do  escritor Bernardo Guimarães (1825-1884). Penso aqui no seu  conto  modelar que é  “A dança dos ossos.” Extraído do livro Lendas e romances (1871).
     Elmar Carvalho é um  autor  que há muito tempo venho lendo não só  analisando-lhe a poesia   que, - ninguém pode negar – é de ótima qualidade,  tendo mesmo  sido agraciado, pelo seu livro Rosa dos ventos Gerais (poesia reunida, 20002)  com o importante  prêmio “Ribeiro Couto” da União Brasileira de Escritores (UBE). Ademais,  Elmar  incursionou  elegantemente  pelo memorialismo e por algumas  pesquisas  de natureza  histórica, pelo ensaio da pesquisa histórica, pela crítica literária, pela crônica.
      Diria, em síntese, que o conjunto de textos em prosa que, até hoje, produziu  já lhe garante um lugar   definitivo   entre os escritores  mais  prestigiados da literatura  piauiense contemporânea.
    Agora,  Elmar Carvalho  nos surpreende  mais uma vez com uma novidade: a escrita de um romance, Histórias de Évora.O autor a classificou  como  romance; eu, porém  a definiria como  novela, pois se ressente de um componente forte no romance: a simultaneidade dramática.”[1]
    Deixo explícito,  no entanto,  que, nesta análise  de alguns ângulos  da linguagem e da sua  estrutura ficcional,  levarei em conta a sua íntima aproximação com  o gênero do romance e até o tratarei com tal, sobretudo  tendo em vista  o cunho ensaístico  desta  introdução, o que equivale  a dizer, que meu julgamento ou minhas   concepções  não são dogmáticas nem definitivas em terreno  tão  controvertido  quanto   a classificação de gêneros nos dias de hoje.
     Tampouco divergi dele porque seja uma obra não muito extensa, mas por um romance ser  uma narrativa que propicia uma visão totalizadora, da existência, da qual se poderia depreender melhor a  cosmovisão do narrador sobre o mundo e seus problemas mais diversificados e complexos.
      A novela, não. Tendo elementos praticamente semelhantes do romance, seu alcance narrativo é menor no tratamento destinado à trama, ao enredo, às personagens. A novela não seria um romance em ponto pequeno, mas seria um “romance incompleto,” suscetível de se prolongar indefinidamente em nosso  episódios.
    Por outro lado,  esse espaço de introdução da obra em exame não objetiva  levar-me a uma discussão teórica,  genológica, mas   apontar vias seguidas  por Elmar nesta  corajosa   empreitada de  se desincumbir  bem  no seu  projeto de  escrever ficção e estrear  como romancista  em   Histórias de Évora.
   Preferindo  seguir  a linha de uma ficção  de corte  mais tradicional, até na linguagem, com ressonâncias  de autores  portugueses  ou brasileiros do século  XIX, mas ao mesmo tempo   incorporando   ao seu texto  contribuições  da narrativa contemporânea, segundo veremos  mais adiante,  Elmar Carvalho logrou êxito nessa  combinação  do antigo   com o novo, o que,  de certa maneira,  sem forçar,  se poderia   aduzir que na obra em questão  existem  traços  distintivos  inegáveis de pós-modernidade.
  Tal estratégia do autor o salva  da pecha de uma narrativa  em modos envelhecidos ou anacrônicos. O próprio autor, nas “Advertências” de abertura da obra,  de certa maneira criteriosamente  antecipa alguns  pontos comuns entre o que ele pensa e o que eu penso acerca   da construção de seu romance no que tange a algumas  estratégicas   e técnicas narrativas por ele usadas. Desta forma,  chama a atenção do leitor para sua opção pelo não utilização, na arquitetura de sua  obra, do  experimentalismo  ou  vanguardismo: “Deixo logo bem claro que não desejei fazer uma obra de vanguarda. Quis apenas contar histórias, pois sempre entendi que um romance ou conto deve narrar algo.”  (grifos  meus).

A QUESTÃO DO NARRADOR. Existem dois narradores nas Histórias de Évora. O narrador 1 e o narrador 2.    O narrador 1 relata as  exuberantes e ousadas  experiências erótico-amorosas  de Marcos Azevedo,  protagonista do romance,  desde a sua  iniciação  sexual  com a famosa  madame  Doralice, até o final  feliz do romance, à moda romântica, já casado com a auditora fiscal, Lívia Maria.
       O narrador 2, que é interno, quer dizer,  inserido numa narrativa primeira, é um  narrador-personagem, só que, agora, na condição de escritor. Este,    a partir do capitulo  XI, será incumbido de  narrar  textos extraídos  de suas obras na fase adulta e  madura. São as obras Histórias de Évora, Mitologia de Évora e Memórias. Pelo que se viu,  o narrador I, de terceira pessoa,  emprega  o recurso  digressivo e metaficcional, ou seja, a quebra do ilusionismo  realista do chamado  romance burguês do século XIX ao mostrar  que o leitor  está diante de uma história inventada, de “criatura de papel” no dizer de Roland Barthes e, por conseguinte, não referencial,  não empírica.Na realidade,  esse recurso  metaficcional ou metalinguístico,  desponta mais de uma vez  na narrativa tanto sob o domínio do narrador 1 quanto do narrador 2. Daí advertir o leitor de que os relatos  de Marcos Azevedo virão (...) em itálicos e entre aspas”(.... )  Importa acentuar que relatando, com minúcias, os saudosos  grandes  momentos de seu  passado, os seu relatos tornam-se, por assim dizer,   tanto  ficcionais quanto fragmentos de memórias do escritor. E mais: a função narratológica  do narrador 2 tem um caráter de complementaridade no conjunto do enredo do narrador 1.
        Além disso,  enquanto narrador 2,  Marcos Azevedo  se distancia um  pouco  do que  conta,  tornando, assim,  sua narrativa mais objetiva e mais   interessada em outras realidades  não  descritas nem  expostas e nem discutidas pelo  narrador  em terceira  pessoa, o que, para a engenharia do romance,  evita descambar para uma tautologia. No conjunto geral  do romance,   essa segunda narrativa (narrador 2) em alguns capítulos, conseguem chegar  a competir, em qualidade literária,  com a narrativa   primeira (narrador 1).
        A condição de Marcos ser um escritor não deixa, dessa maneira,de funcionar como um recurso metanarrativo ou metaficcional,  de vez que os textos dele, inseridos no texto maior (narrador 1), tendo como narrador central na primeira  pessoa,  segundo já frisei, são, em grande parte, narrativos memorialísticas de Marcos  Azevedo. Portanto,  os dois planos narrativos dialogam entre si posto que  indiretamente, i.e., sem fazer explícita menção à narrativa primeira.
        Não há paira dúvida de que, nos dois planos narrativos, tem-se um alter ego do autor ( e isso é muito frequente em alguns autores), sobretudo evidente  para quem, como eu,  conhece a produção literária do autor e, além disso,  mantém com ele laços de  amizade. Entretanto,  em literatura,  a realidade, esse mundo  referencial,  sofre deformação ao se  transmudar em obra de arte, ou seja,  vira a  mímesis da concepção aristotélica e não há  senão que aceitar  essa metamorfose, com toda a sua “astúcia”  na criação literária.
        Cumpre assinalar mais um recurso   narratológico de Histórias de Évora de cunho  metaficcional. Refiro-me a exemplos, ao longo do romance, considerados os dois mencionados  narradores principais, de um deles estar  reportando alguma história ou causo, fato ou acontecimento  pitoresco ouvidos ou de que tenha  tido conhecimento pela boca de terceiros, ao invés de delegarem a palavra a estes, preferem  resumir  o narrado  e manter as rédeas da narração.
        Ora,  em exemplos como  este se poderia bem falar aqui de  recurso que mantém alguma semelhança do mise en abime, [2] notadamente quando, no mesmo  capítulo se encaixam outras histórias, outras narrativas ou fragmentos autônomos de narrativas.
        Num exemplo último, no romance pude observar  que,  em alguns capítulos,  se poderia  identificar  traços de polifonia  ou dialogismo, sobretudo  quando a narrativa  se presta a introduzir  duas ou mas versões ou depoimentos  visando à   elucidação ou não  de um relato misterioso ou fantástico. São exemplares as histórias “A terra encantada (1)” (capítulo XXII) e a sua conclusão, no capítulo XXII., e “O lendário Zé Lolô” (capítulo XVIII).
      Vê-se que a composição do romance  de Elmar só aparentemente  é simples. Ao contrário,  ele exige redobrada  atenção do leitor  especializado no que se refere ao inventivo modo de  elaboração  formal  do  romance. 
       Superada essa dificuldade de natureza  teórica,  o romance Histórias de Évora vai, sem dúvida,  agradar o leitor, seja o leitor comum, mais despertado pela sequência das aventuras erótico-amorosas do protagonista  Marcos Azevedo,  seja o leitor mais exigente por outras dimensões e leituras  sugeridas  pela  obra.
     Sabe por quê? Porque há na obra um chamariz contagiante da ordem do escatológico: o lado erótico, a sensualidade, de resto, não exagerados, não resvalando para uma baixa voltagem neo-naturalista, mas não deixando de  aguçar a curiosidade e o espanto  do receptor diante de algumas cenas  do coito. Comparado a outros romances que tematizam esta dimensão escatológica, por exemplo, com  o romance Pilatos (1973), de Carlos Heitor Cony, a ficção de Elmar é  quase virtuosa. Elmar tem, na representação de cenas de sexo,  uma habilidade narrativa especial e é criativo nesse ponto.

ROMANCE DE FORMAÇÃO. Histórias de Évoras, por suas característica estruturais, é mais um romance de formação   a ser acrescido  a esta linhagem  de ficção na literatura  brasileira que já conta com O Ateneu (1888), de Raul Pompeia, Amar, verbo intransitivo (1927), de Mário de Andrade, os romances ‘ciclo do açúcar’ (1933-1937), de José Lins do Rego, Mundo dos mortos (1937), de Otávio de Faria,  e, na literatura portuguesa, Fanga (1942), de Alves Redol, Manhã submersa (1955), de Vergílio Ferreira e o ciclo de A velha Casa (1945-1966), de José Régio.[3]
      Na literatura de outras línguas, sobretudo  no alemão, onde mais se cultivou,  temos o Agathon (1766), de Wieland, e o celebérrimo Wilhelm Meister, que (1795-1796), de Goethe. Na esteira da tradição em alemão,  podem-se citar autores que cultivaram esse tipo de romance, chamado de Bildungsroman, igualmente  denominado künstleroman, como  Tieck, Novalis, Jean-Paul, Eichendorf, Keller, Stifter, Raabe, Herman Hesse. Na língua inglês citar-se-iam Charlotte Brontë, Charles Dickens, Samuel Butler, Somerset Maugham[4], James  Joyce, este último com  o  famoso  Portrait  of the artist as a young man (1916). Na França, Romand Rolland.[5]        
     O enredo dessa obra relata  a formação  de Marcos Azevedo , desde a infância em Évora, um  topônimo com ressonâncias  de Portugal, de Eça de Queirós (não é gratuito o título do capítulo  XXXI: “O crime do Padre Amaro, romance realista de Eça   com título  homônimo) passando  pela adolescência,  mocidade e maturidade e abordando   sua iniciação  sexual,   educação escolar e intelectual, sua orientação  familiar,  suas amizades,   seus hábitos  e preferências, sua  vida agitada e tórrida vida  amorosa na adolescência e mocidade, suas alegrias, frêmitos e frustrações, seus relacionamento  sociais, seu amigos mais íntimos, seus familiares, sua atividade  profissional  e, no caso dele,  sua atividade  de escritor.
      Por fim,  o seu reencontro proustiano pela memória voluntária com seus correspondentes  lugares nos quais fez o seu aprendizado sexual e – por que não? – amoroso, espaço  irremovível da suas mil lembranças de situações vividas, sonhadas, de fatos pitorescos, decepcionantes,  constrangedores, humorísticos, melodramáticos e tragicômicos.
    Lugares da sua velha e afetivamente  distante Évora, uma cidade modificada, agora, diante dos seus olhos  saudosistas, românticos, sentimentais, segundo se constata com o capítulo final da obra. Ali se narra e se descreve tanto quanto se medita o tema do ubi sunt naquela atitude de flâneur deambulando pelos antigos, decadentes  e amados lugares e tempos da juventude. Uma Évora modificada  no seu antigo traçado urbanístico com novos prédios, que substituíram algumas antigas moradias levadas pelo  progresso e pela ganância dos homens. Esse monólogo  silencioso  e elegíaco de Marcos para sempre o acompanhará até os seus últimos dias.

OUTRAS QUESTÕES  DO ROMANCE. Histórias  de Évora,  no que se propôs o autor,  se desenvolve  com uma simplicidade de linguagem, correção, um leve sabor clássico e arcaizante  de vocábulos,   moderação   no plano poético (traço corrente no conto, novela e no  romance)     desenvoltura  nas descrições e trechos dissertativos  do espaço literário, conhecimento da natureza, atilado  poder de observação dos costumes e hábitos do interior, da sua cultura, da sua história,  dos seus habitantes e da vida social estratificada. 
      O núcleo  fulcral da história - não custa  enfatizar –  a vivência e as vicissitudes de um adolescente e seus arroubos amorosos assim como sua fase da mocidade e do início da velhice em cidade do interior piauiense entre os anos 1970 e finais de 1980. O ficcionista domina toda essa ferramenta  que se faz  necessária  à articulação na escrita 
     Todavia,  a sua capacidade narrativa não termina aí e,  sob a superfície  da enunciação/enunciado, o texto literário  sinaliza para muitos  artifícios  retóricos  que só elevam  a sua  qualidade  textual.
      Quero significar aqui a riqueza de diferentes recursos  intertextuais, na obra, tais como  as inúmeras alusões a autores e poeta  de épocas diferentes, às citações de música  popular, de obras de cordel, de filmes, da época da história  narrada, assim como  as autorreferencias  de versos  do  próprio autor, as nomeações de figuras importantes  da vida cultural e literária  do Piauí ou fora dele (traços de roman  à clef ), como a referência ao próprio  nome do autor  no corpo da narrativa.
      Ora  tais riquezas  alusivas,  paródicas,  tornam o texto, em nível de leitura mais profunda  uma narrativa de amplo espectro  e alta  taxa informativa.O narrador 1 não somente  remete a objetos de uso pessoal,   usos de comunicação do tempo da narrativa, mas  inclui  também  os meios de comunicação   da atualidade, como  a internet,  os CDs,   e outras formas  de comunicação da sociedade de massa. 
    Desta forma,  a vida social  daqueles jovens das décadas de 70 e 80 do século passado é reconstruída com  rara acuidade : os lupanares, a prostituição,  sobretudo  no ápice do desabrochar  da adolescência. 
      A vida das madames de cabarés, na “Zona Planetária,”  um dos redutos de prostituição, tão bem visitada  pela poesia de  Elmar Carvalho, as carraspanas  de jovens e velhos,  as brigas  por ciúmes, as traições  conjugais, as tragédias amorosas, os subtérreos da sexualidade,   os desencantos  amorosos,  o romantismo  da época, tudo isso é pintado com fortes cores e com  fidelidade e verossimilhança nas descrições dos ambientes internos e externos  das diferentes situações  da realidade  local, da sociedade alta com seu  ricaços, seus coronéis,  seu apego ao dinheiro,  suas hipocrisias e seus preconceitos, recriadas com muito vigor.
      A passagem entre o período da   riqueza  extrativista da carnaúba  e sua decadência  é outro  ponto alto  no romance muito bem  narrada no  capítulo XXXVI, de título “E assim se passaram os anos.”  
     Por outro lado,  em  questões ideológicas na fase do final da adolescência, da mocidade e maturidade, não há sequer  nenhuma  indicação na narrativa   à fase  aguda da ditadura militar no país. Levando em conta que o personagem é um escritor, pessoa de visão, culta, sensível,  bem informada,  que produz artigos em jornais locais e, vivendo  intensamente o seu tempo, em tal contexto histórico-social-cultural, seria quase inescapável  alguma referência, posto  que velada,  aos anos duros  do regime discricionário. É bem verdade que há dois parágrafos (o terceiro e o quarto)  no romance, capítulo XVI, de título  “Gracinha”, nos quais  o narrador alude ao jornal  O Liberal,  fundado  por ele e pelos amigos    Fabrício,  Mário Cunha, Cazuza,  e outros companheiros. Contudo,  seria um  periódico apartidário, mas não dispensando  críticas aos governos federal, estadual e municipal. 
     No meio de tantos ângulos  de visão propiciados  por essa   narrativa múltipla, o que  me  encantou  como leitor foram os incidentes por que passaram  Marcos e seus companheiros  de juventude,  ressaltando-se  o Fabrício,  o Milton Ferreira, o Cláudio Bastos, o Cazuza, entre outros. E, para concluir essa já prolongada  introdução,  ficarão  também na minha memória  de leitor aquelas mulheres da vida, desde as mais requintadas até as mais  desprezadas.
       Do ponto de vista de organização dos capítulos,  julgo que o “Anexo” inserido após o epílogo, com pequenos fragmentos de um outro livro  de Marcos Azevedo, de título Outras histórias de  Évora,  escrito aos 62 anos, melhor destino teria se fosse inserido como mais um capítulo   da obra, circunstância que levaria o ficcionista a mudanças na ordem  dos capítulos. As explicações que o narrador em terceira pessoa fornece ao leitor evidenciam  seu  viés metalinguístico. Os mencionados  fragmentos descrevem a fisionomia,  os traços físicos e psicológicos  desse conjunto de tipos populares  de Évora, alguns  engraçados,  alguns excêntricos, outros dignos de piedade, alguns patéticos,  patéticos,  desse tipos  de seres, que, por seus defeitos ou até qualidades,   passam a fazer  parte da memória  urbana e do seu  anedotário. A caracterização desses  tipos populares já tinha sido  empregada por Elmar na sua  poesia. Reporto-me à seção “PoeMitos de Parnaíba,” uma seção da quarta parte do livro linhas atrás citado,   Rosa dos ventos gerais.
       Outras ponderações teóricas  e formas de leitura  deixarei  para analistas  e   intérpretes  de literatura. Para os leitores não especializados, convido-os ao prazer  da leitura  simplesmente. Porém, a uns e a outros direi   que a maior atração  na leitura    dessa  obra  foram as aventuras amorosas do Marcos Azevedo e seus desdobramentos  felizes ou fracassados. O amor nem sempre é completo na vida tanto quanto na arte literária. Com as Histórias de Évora, o  Piauí ganha  mais um  romancista. Que esta  obra encontre muitos leitores.



[1] MOISÉS, Massaud. A criação literária – poesia e prosa.. Edição revista e atualizada. São Paulo: Cultrix, 2012. Ver capítulo X: A Novela (p.334-380; Ver também  capítulo XI: O Romance, p. 381-547.
[2] MARTIN, Gray.  Dictionary of literary terms. 2nd edition, third impression, 1994,p.181.
[3] MOISÉS, Massaud., op. cit. Ver verbete “Bildungsroman”, p. 63.
[4] _______________. Op. cit., p.63
[5] GRAY, Martin. Op. cit., p. Ver verbete “Bildungsroman,” p. 43.

Bibliografia consultada:

1. AGUIAR E SILVA,  Vítor Manuel de. Teoria  da literatura, 8 ed. Coimbra: Livraria  Almedina, 2011.
2.BOURNEUF, Roland e QUELLET, Real. O universo do romance. Trad. de José Carlos Seabra Pereira. Coimbra: Livraria Almedina, 1976.
3.BRASIL, Assis. Vocabulário técnico de literatura. Rio de Janeiro:  Edições de Ouro, 1979.
4.CHALUB, Samira. A metalinguagem. São Paulo: Editora Ática, 1986
5. KAYSER, Wolfgang. Análise e interpretação da obra literária. – Introdução à Ciência da Literatura. Coimbra: Armênio Amado Editora, 1985.
6.PAES, José Paulo e MOISÉS, Massaud. Pequeno dicionário da literatura brasileira. (Org.) . São Paulo: Cultrix, 1980.
7.REIS, Carlos. O conhecimento da literatura – introdução aos estudos literários. 2. ed. Coimbra: Livraria Almedina, 1999.
8.____________.M. LOPES, Ana Cristina Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo:  Editora Ática, 1998
9.SCHÜLLER, Donald. Teoria do romance. São Paulo: Editora Ática, 1989.
10.TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Trad. de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Editora Perspectiva, 1979.