quarta-feira, 24 de abril de 2013

BRAZIL'S OVERVIEW CORNER: Violence: Brazil's number one problem

Cunha e Silva Filho

My writing again about the same problem is not for lack of a theme to be dealt with; it is simply a matter of a regrettable and recurrent situation. From day to day more news about murders, muggings, rapes, and other atrocities are to be found in all existing media in my country. I know in advance that some part of Brazilian society that we might well label the elite, regard news about crimes and all sort of violence to be “not politically correct.”. What do I care about being politically correct when before my eyes I can see the same scenes of violence being shown over and over again?

People may say so because they have houses or apartments equipped with the latest technologies in terms of security measures against violence. However, all these means available to them do not prevent them from suffering the same troubles and drawbacks a man in the street may be taken aback. We are all in the same boat and no one can escape harmless.

The tendency of opinions on the reduction of age bracket years for juvenile delinquency is not normally accepted by lawyers and jurists nor is it accepted by religious sectors of all denominations. If so, how are we to circumvent this issue that is causing so many deaths of innocents of all ages and social ranks? Are we to continue losing our beloved ones due to the endless waves of murders of all types? Can’t we put an end to all this bloodshed? Don’t we have competent and responsible authorities to tackle this pressing issue? Do we have to cross ours arms and remain passively enduring all this state of uncertainty as to the outcome of all this ? Will people say I am exaggerating in my evaluation of social condition of our society security?

As far as I know, Brazil is not facing a civil war, but if you, reader, observe this unbearable situation, it seems we are in the middle of a battle with bullets, especially the so-called strayed bullets killing innocents that pass exactly where a big shooting is being going on the streets of rich and poor cities sections? Nowhere are we safe of being the victim of a strayed bullet. Should one put the number of dead people killed by strayed bullet the statistics graphic would certainly rise skyhigh like a sum of people killed in a war between two countries. The death toll of innocent people is getting higher and higher and no effective steps have so far been taken by all instances of power here in Brazil. Like in the well known tale by Anderson, the king is naked but everyone says he is dressed just to comply with the king’s attitudes and behavior.

Brazilian society if it were united like many others around the world would not remain so silent as to the errors and omissions of authorities. As long as Brazilian laws are not changed for the better, i.e., while our congressmen and our judiciary power do not manifest themselves sensitive and sensible to this afflicting state of violence on a large scale that is putting in danger and in shock our society, more and more people will be killed on the street, at home, everywhere, inasmuch as murderers, muggers, rapers and a host of other criminals will be waiting to attack their victims unexpectedly, regardless of the place and hour they choose their prey.

In the case of young underage criminals, it is worth noticing that in most acts of evildoings, they are guided by grownup criminals who make use of them to commit infringements because if they caught by the police, they already know no warrant of imprisonment will be sent to them, as they are instead conducted to youth custody and , upon reaching adulthood, are set free in society.

Of course when I discuss this issue I am mostly referring to the two main metropolis in Brazil: São Paulo and Rio de Janeiro, although it is known violence is spread all over the country.

I recognize some measures have been put in practice by authorities of the Security Departments of these two cities. However, this is not at all enough. One must fight the long-rooted crime battle from many sides.

Besides, there must also be a radical change in dealing with other topics of fundamental importance, being the main one the improvement of social life conditions of poor communities, well known by the name of “favelas” (slums or shanties) that are generally located in hills and mountains as is the case of Rio de Janeiro.

Rio de Janeiro state government has created the so-called UPPs (a Portuguese acronym for Police Pacification Unities), which are a kind of a small police station the function of which is to interact with the local dwellers of slums, trying to gain the respect and friendship of the community, striking up acquaintances with the dwellers and get them rid of traffic drug dealers and drug addicts in a well known environment of an ambiguous selling and buying drug business connections.

Their function is, consequently, very difficult to tackle and demands patience and tact on the part of policemen. Obviously, the creation of the UPPs have in some aspects helped the communities, as in Rio they can be counted by hundreds of them scattered throughout Rio de Janeiro, and are located both surrounding famous and elegant south sections of Rio de Janeiro and distant middle-class people and poorer north or west sections in Rio de Janeiro.

The coming of the UPPs in Rio de Janeiro has undergone a tremendous change in the real state broker business, inasmuch with their creation, prices of houses and apartments, which were devalued because of violence chiefly originated in the slums located close to good and privileged sections, had their prices of selling or renting risen overnight.

Violence manifold problems thus pose a very troublesome issue to our authorities and therefore it is up to them to relentlessly cope with the issue not in long term, as it will only get worse and worse to such an extent that it may become uncontrollable. Nobody wishes this to happen as any other alternative would mean to decree the complete failure of our instances of powers, thus weakening State Machine. If our federal government fails to solve this problem, our country will soon feel the disasters it has in part be responsible for. The worst consequences are not difficult to be envisaged: economical losses, political turmoil, tourism collapse ands social problems. All people will, in a way or other, be reached and harmed.

No authority will say people have not warned them in time about the unforeseen evils that may be brought about by high levels of violence. It is high time our authorities might wake up for this ever growing level of violence in my country.

Violência: o maior problema do Brasil

Não é por falta de assunto que escrevo sobre o mesmo problema. Sou levado pela atual situação recorrente e lamentável. Diariamente, me deparo, através da mídia, com novas notícias sobre crimes, assaltos, estupros e outras atrocidades ocorridos em meu país. Não é novidade constatar que parte da sociedade brasileira, que poderia rotular de elite, considera notícias sobre crimes e toda sorte de violência como algo “não politicamente correto”. Não me importa ser “politicamente correto” quando, diante de mim, vejo as mesmas cenas de violência repetidas vezes.

È possível que tal elite pense assim porque é proprietária de casas ou apartamento aparelhados com as mais recentes tecnologias em termos de segurança contra a violência. Entretanto, todos esses meios disponíveis não as livram de passarem pelos sofrimentos e os mesmos infortúnios e reveses do homem comum pego de surpresa. Estamos no mesmo barco e ninguém disso escapa incólume.

A tendência de opiniões acerca da redução de idade para a delinquência juvenil não é normalmente aceita por advogados e juristas nem tampouco é aceita por setores religiosos de todas as denominações. Em caso afirmativo, como deveríamos contornar esta questão que continua provocando tantas mortes de inocentes de todas as idades e níveis sociais? Continuaremos perdendo nossos entes queridos devido a ondas de violência de todos os tipos? Não se poderia pôr termo a toda esta carnificina? Será que não temos autoridades responsáveis e competentes para cuidar desta questão urgente? Teremos que cruzar os braços e permanecer passivamente aceitando todo esta estado de incerteza com relação às suas consequêcias? Dir-me-ão que estou exagerando na minha avaliação das condições sociais da segurança de nossa sociedade?

Que eu saiba, o Brasil não está enfrentando uma guerra civil, porém se você, leitor, atentar para esta situação insustentável, parece-nos que estamos no meio de um batalha com balas, sobretudo as conhecidas balas perdidas, ceifando inocentes que passem justamente onde está havendo tiroteio nas ruas de bairros ricos e pobres das cidades. Se porventura anotássemos o número de mortos por balas perdidas, os gráficos estatísticos seguramente iriam para a estratosfera como se fossem o total de pessoas mortas numa guerra entre dois países. O número de mortes de inocentes cresce cada vez mais e, até agora, nenhuma medida efetiva foi tomada pelas instâncias do poder aqui no país. Tal qual no conto de Anderson, o rei está nu, mas todos dizem que está vestido a fim de não contrariar as atitudes e comportamento do rei.

A sociedade brasileira se unida fosse, à semelhança do que se vê em outros países do mundo, não permaneceria tão calada quanto aos erros e omissões das autoridades. Enquanto as leis brasileiras, que são lenientes, não mudarem para melhor, i.e., enquanto nosso congressistas e nosso poder judiciário não se manifestarem sensíveis e sensatos com esta estado de angustiante com esta escalada de violência, colocando em perigo e em estado de choque nossa sociedade, cada vez mais haverá pessoas assassinadas nas ruas, visto que criminosos, assaltantes e estupradores e um n´mero de outros facínoras estarão atacando suas vítimas de surpresa, independente do lugar e hora que escolhem para suas presas.

Naturalmente, quando discuto esta questão, me reporto geralmente a duas principais metrópoles do Brasil: São Paulo e Rio de Janeiro, Reconheço que algumas medidas têm sido tomadas pelas autoridades das Secretarias de Segurança destas duas cidades. No entanto, isso não é bastante. Deve-se enfrentar a batalha da criminalidade crônica em muitos flancos.

Além disso, deve haver uma mudança radical no enfrentamento de outros tópicos de fundamental importância, sendo o principal a melhoria das condições de vida social das comunidades desfavorecidas, mais conhecidas como “favelas,” situadas nas colinas e montanhas, segundo se vê no Rio de Janeiro.

O governo estadual do Rio de Janeiro criou as chamadas UPPs (sigla em português para Unidades de Polícia Pacificadora), que são uma espécie de pequeno distrito policial, cuja função é interagir com os habitantes locais de favelas, procurando conquistar o respeito e a amizade da comunidade, estabelecendo de amizade com os moradores e livrando-os dos narcotraficantes e viciados em drogas em ambiente de ambíguas transações de compra e venda de drogas.

Sua função é, em consequência, muito difícil enfrentar e exige paciência e tato da parte dos policiais. Obviamente, a criação das UPPs em alguns aspectos tem auxiliado as comunidades, pois no Rio elas se contam às centenas espalhadas em todo o Rio de Janeiro e se localizam tanto em torno de bairros famosos e elegantes da Zona Sul carioca quanto em bairros distantes de classe média e classes menos favorecidas da Zona Norte e Oeste do Rio de Janeiro.

A chegada das UPPs no Rio de Janeiro mudou tremendamente o mercado imobiliário, visto que com elas os preços de casas e apartamentos, que estavam desvalorizados em razão da violência principalmente oriunda das favelas situadas perto de bons e privilegiados bairros, tiveram seus preços de venda e aluguel aumentados consideravelmente da noite para o dia.

As múltiplas atribulações causadas pela violência, desse modo, cobram um posicionamento de nossas autoridades, a elas competindo, portanto, cuidar sem trégua deste problema, não a longo termo, porquanto isso só agravará a situação de tal maneira que não haveria meios de controlá-la. Ninguém deseja que isso aconteça, pois qualquer outra alternativa significaria decretar a falência de nossas instâncias do poder. Se o governo federal fracassar na solução deste problema, nosso país logo sentirá os efeitos danosos pelos quais em parte será responsável. As piores consequências não são difíceis de vislumbrar: prejuízos na economia, instabilidade política, colapso do turismo e problemas sociais. De uma ou outra forma, todos serão atingidos e não sairão ilesos.

As autoridades não poderão dizer que o povo não as advertiu a tempo sobre os males imprevisíveis que possam ser desencadeados pelos altos níveis de violência. Está na hora de as autoridades despertarem para este  incessante recrudesciemento da  violência no país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário