sábado, 13 de abril de 2013

BRAZIL'S OVERVIEW CORNER: Brazil's teenagers murderers

(A Portuguese translation of this article is given below the English text)

Present under age murderers cases in Brazil must have a solution on the part of Brazilian authorities, otherwise we will be watching a never thought before wave of violence, mainly in São Paulo and Rio de Janeiro cities. The situation is too serious to be disregarded by Brazilian authorities and therefore the penal legislation should make an urgent reform as to the age bracket for a teenager to be held responsible for a murder committed.

Present penal sentence for a murderer can only be applied from eighteen years old on. Before this limit, an adolescent (male or female), can only be sent to the so called state reformatories the function of which is to try to reeducate and ressocialize the youngster criminals, albeit it is the general people’s view to consider this kind of social and psychological work fruitless, as it is claimed they do not get to reform these young people. Far otherwise, people generally say that when reaching adult age, they leave those places of isolation from society worse than before they were sent to those reformatories. Reality has shown that in most cases this is what actually happens.

As it is, the situation of these young criminals, whose age for some of them ranges between twelve and sixteen or seventeen years old, demands immediate steps to be taken by competent authorities especially because Brazilian society cannot stand any longer successive murders committed almost daily by young boys and sometimes girls causing too many griefs and afflictions to parents who are bereft of their beloved ones, victims of these cruel and cold criminals.

In São Paulo an example of this happened to a young boy, Victor Hugo Deppman, a nineteen-year-old, university student of journalism who was killed three days ago by a seventeen year-old criminal who held him up in front of the student’s residence. The thief wanted the student’s cell phone and the student, in turn, handed him what he was asked to. I want to point out that the student did not give any sign of reaction against the murderer who leveled a gun at him, and at the same time shot him dead on the face at close range.

As you can see, my reader, it was a hideous crime, an abominable action of savagery practiced by a human being. This shocking murder at once became a nationwide piece of news spread throughout the country and by all media and Brazilian society, it seems, has firmly reacted to this degrading social evil. Maybe this murder will become a turning point in the history of murders committed by young criminals in Brazil. As the student’s mother stated: “Something must be done to put an end to tragedies like these. It is not possible that such a kind of crime may last for ever. What will become of us here in our country?”

What seems to me is that Brazilian people, chiefly the common people, want a strong and urgent change in terms of age bracket penal legislation, i.e., people want reduction in the age of youngsters who murder or rape or commit whatsoever coldblooded cruelty crime. They want prison for them just  like for  any other grown-up person. This issue of course should be widely debated by society before being transformed into a federal law. However, the fact that cannot be neglected at all, in my view, is that something in this direction should be done immediately. People’s patience has been exhausted. Our country does not accept that the present high level of violence may go on endlessly.

Brazilian society, as a whole, cannot bear any more such anomalous situation as far crimes are concerned. It is known Brazil’s Penal Code is outdated. We also know a reform of it which is underway should take into due account this issue involving murders committed by teenagers. So, I expect the members of learned jurists who are dealing with it at present will carefully think in depth about this subject, as it cannot be put aside among other important issues of our social life.

I think it would be extremely important to have our society mobilized towards demanding from our congressmen, as urgently as possible, the presentation of a bill dealing with this momentous issue and, after discussing it deeply, pass it having in mind the will and wishes of the greater part of Brazilian society who eagerly expects our laws put and end to the actions of young killers of innocents of all ages and social ranks. We all know that we may become, at any time of day or night in rich or poor sections of our cities, helpless fatal victims of these young murderers.

Incidentally, in the case of the student killed in São Paulo, the police did not even need to search to locate him and get him arrested. Before that could occur, the young criminal cunningly gave himself up to the nearest police district.

Naturally he acted so because he was aware of the cricumstance that if he did not show up immediately at the police station, he might be arrested as a grown up, since three days later he would complete eighteen years old, that is, he would have been treated like any other grown up declared guilty of a crime. To escape the law infringement and by behaving as he did, he got rid of going directly to jail. Obviously, when at home watching the news about his murder on TV and probably advised by someone related to him, his mother or a friend or someone else more experienced, he did not count twice and quickly got to save his skin. That is the way unfortunately things are unfolded in Brazil when dealing with law matters.

Brazilian citizens expect that effective steps must be taken in short or medium term to improve this gloomy state in which the country is engulfed as to the wave of unprecedented violence terrifying a society in its everyday life routine. We are practically helpless, with tied hands, hostages of very dangerous killers ready to surprise us, as I said before, around the corner. Brazilian authorities in all their instances of power, whether federal, state or municipal spheres, have to give an immediate response to this most serious problem that our people all over Brazil are going through, mainly in the most affluent cities: São Paulo and Rio de Janeiro.

Impunity in Brazil is the corollary of omission of successive governments. The tragical murder committed against  Victor Hugo Deppman adds to one more similar case in the ever increasing death rate of innocents of all ages killed in my country. Brazilians generally ascribe these crimes to impunity on the part of Brazil’s authorities. In a way, Brazilian State for sure has its share of blame in this connection. Brazil should struggle incessantly against this reprovable and distressing situation which gives a bad image of social life in my country.

Menores assassinos no Brasil

Casos de criminosos de menor idade atualmente no Brasil precisam de um solução por parte das autoridades, do contrário estaremos assistindo a uma onde de violência inimaginável no passado, sobretudo nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. A situação é grave demais para que a negligenciemos.e, por isso a legislação penal deverá implementar uma reforma urgente no que concerne ao limite de idade para que um adolescente seja responsabilizado por um crime cometido.

Hoje a penalidade para um assassino só se aplica a partir dos dezoito anos. Antes desta faixa etária, um adolescente ( do sexo masculino ou feminino) que venha cometer um assassínio será apenas encaminhado a reformatórios estaduais, cuja função é tentar reeducá-lo e ressocializá-lo, embora na visão geral das pessoas, esta espécie de trabalho social e psicológico não tenha dado nenhum resultado prático, porquanto se alega que o jovem internado não demonstra nenhuma melhoria em seu comportamento. Muito ao contrário, afirma-se em geral que, ao atingir idade adulta, sai desse lugares de isolamento pior do que antes de neles ser internado. A realidade demonstra que, na maioria dos casos, é isso mesmo que acontece.

Destarte, a situação destes jovens criminosos, cuja idade para alguns medeia entre doze e dezesseis ou dezessete anos, requer providências imediatas das autoridades competentes, em particular porque a sociedade brasileira não aguenta mais sucessivos crimes de morte perpetrados quase diariamente por jovens de ambos os sexos desencadeando imensas dores e aflições aos pais de famílias que perdem seus entes queridos, vítimas destes criminosos cruéis e desalmados.

Em São Paulo, um exemplo disso aconteceu com Victor Hugo Deppman, um jovem universitário cursando  jornalismo, de dezenove anos, que há três dias foi morto por um menor de dezessete anos em assalto em frente de sua residência. O ladrão queria o celular do estudante e este, por sua vez, lho entregou atendendo, assim, ao desejo do assassino. Convém assinalar que o estudante não esboçou nenhuma reação contra o assaltante, o qual, apontando-lhe uma arma, disparou-a à queima-roupa contra o rosto do estudante, matando-o no instante.

Veja, leitor, que se trata de um crime hediondo, uma ato abominável de selvageria levada a termo por um ser humano.Este crime chocante logo virou notícia nacional espalhada no país inteiro e em todas as mídias, a a sociedade brasileira, assim me parece, reagiu duramente a este degradante mal social. Quiçá este assassínio se torne um divisor de águas na história de crimes cometidos por jovens no Brasil. Conforme, as palavras da mãe do estudante: “ Não é possível que tal espécie de crime possa durar para sempre. O que será der nós todos em nosso país?”

O que me parece é que os brasileiros, principalmente o povão, desejam uma firme e urgente alteração da legislação penal no tocante ao limite de idade, i.e., desejam uma redução na idade para jovens que matem, estuprem ou cometam qualquer delito com requinte de crueldade. Querem para eles a prisão como seria para qualquer outra adulto. Esta questão n naturalmente deverá ser amplamente discutida pela sociedade antes de se transformar em lei federal. Entretanto, tal fato não pode ser absolutamente ignorado,e, no meu juízo, alguma coisa nesta direção deve ser feito de imediato. A paciência do povo se exauriu. Nosso país não aceita que o atual nível de violência se eternize.

A sociedade brasileira, como um todo, não suporta mais esta situação anômala atualmente no que diz respeito à criminalidade. É notório que o Código Penal brasileiro está ultrapassado. Sabe-se também que está em andamento uma reforma dele, a qual não pode deixar de contemplar esta questão de crimes cometidos por adolescentes. Deste modo, espero que os membros de juristas de alto nível encarregados de de sua atualização, reflitam maduramente sobre o tema, que na pode ser esquecido entre outras questões relevantes de nossa vida social.

Julgo extremamente importante que a sociedade se mobilize exigindo de nossos congressistas, tão urgentemente quanto possível , a apresentação de um projeto de lei tratando desta momentosa questão e, após amplo debate, aprove-o levando em consideração a vontade e as aspirações da maioria da sociedade brasileira que espera ansiosamente leis que ponham um fim a mortes de inocentes de todas as idades e níveis sociais.todos tem consciência de que podemos ser vítimas, em qualquer hora do dia ou da noite, de criminosos surgindo de todos os cantos da cidade, em bairros de ricos ou de pobres.

A propósito, no caso do estudante morto em São Paulo, a polícia nem mesmo teve que procurar localizá-lo e apreendê-lo. Antes que isso ocorresse, o jovem criminoso astutamente se entregou à delegacia mais próxima. Decerto assim procedeu porque tinha consciência da circunstância de que se não o fizesse logo, poderia ser preso pela polícia, pois dentro de três dias atingiria a maioridade e seria tratado como qualquer outro criminoso adulto. Para escapar às infrações da lei, agiu diretinho a fim de se livrar do xadrez. Obviamente, havia assistido na televisão aos comentários de seu crime e, provavelmente advertido pela mãe, ou um amigo ou alguém mais de sua relação com mais experiência, não contou duas vezes e rapidamente salvou a pele. Assim infelizmente as coisas acontecem no Brasil no tocante a matéria relacionada à lei.

Cidadãos brasileiros esperam que medidas efetivas sejam tomadas em curto ou médio prazo a fim de melhorar este estado sombrio em que se encontra engolfado o país no que concerne à onda de violência sem precedente aterrorizando uma sociedade no seu cotidiano.Praticamente estamos desamparados, com as mãos atadas, reféns de assassinos de alta periculosidade, prontos, como afirmei atrás, a surpreender-nos ao dobrar a esquina. As autoridade brasileiras, em todas as instâncias do poder, seja nas esferas federal, estaduais ou municipais, têm a obrigação de dar uma resposta imediata a este gravíssimo problema que nosso povo, em todo o Brasil, está enfrentado, sobretudo nas cidades mais afluentes: São Paulo e Rio de Janeiro.

A impunidade brasileira é o corolário da omissão de sucessivos governos. O crime trágico perpetrado contra  Victor Hugo Deppman soma-se a mais um caso da crescente estatística de mortes de inocentes de todas as idades em meu país. Geralmente, os brasileiros atribuem estes crimes à impunidade da parte de nossas autoridades. De certo modo, o Estado brasileiro seguramente tem sua parcela de culpa neste sentido. O Brasil deve continuadamente lutar contra esta reprovável e triste situação que passa uma imagem ruim da vida social em meu país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário