domingo, 5 de maio de 2013

Brazil's Overview Corner: Reduction of full legal age for young killers

(Há uma tradução deste texto  para o português logo abaixo do texto em inglês)
                                                                                   "To know is to distinguish." (Croce)

By Cunha e Silva Filho

Four major problems Brazilians are facing nowadays: transportation, health, education and security, being this last one the most controversial issue in my country social life. Therefore, let me try to explain to you, reader, in more details. Unlike what statistics rates show – one should not always trust in statistics literally -, Brazil is going through its worst form of criminality, chiefly in the so called axis Rio de Janeiro-São Paulo. Going to a newsstand in my city section, a striking headline printed on the cover of a nationwide well-read Brazilian magazine titled Isto é, which was hanging from one of the lateral side of the newsstand, a headline struck my attention: “Reduction of full legal age.” I haven’t bought the magazine latest number, but I thought to myself, this will be the subject of this article.

It is known that society is divided as to agree or disagree with the possibility of reducing full legal age bracket, but for sure most people are on behalf of this reduction of age bracket for criminal who are threatening the stability of normal life, mainly in big cities. At present young boys or girls in my country are only imprisoned from eighteen years on. Society, however, wants them to go to jail as from sixteen years old, since it is claimed that at sixteen they are entitled to vote for a President candidate or other political mandates As it is, if they vote they can be also held responsible for their crimes and cruel deeds.

People expect the federal government should urgently take a stand as far as the country high level of criminality is concerned. So far, Brazilian haven’ had any word from the President Dilma Rousself, who, it seems to us, is not giving the issue its due and timely attention. In her latest address to celebrate one more Labor Day, no words were heard from her concerning this troublesome issue, undeniably the greatest challenge in my country put forward to a Chief of State’s concern.

It was a speech in which she pointed out the most important achievements her mandate has been able to carry out. Notwithstanding some positive gains in the domain of the economy and other social goals, she has forgotten to report the actual poor results in other dimensions of her government, i.e., she has disregarded to bring up some issues that seem to be dragging on for ever in Brazilian society, being the worst one the highest level of criminality in my country, chiefly the numberless cases of murders committed by teens to such an extent that Brazilian society no longer can stand this situation.

We have come to a climax of criminality brought about juvenile delinquency! What’s worse, Brazilian families are frightened at this wave of violence that seems endless. We have lost a meaningful number of people of all ages who have been recently killed by monsters who take advantage of their age bracket to act criminally.

By being aware they won’t be arrested and later sent to prison, as they are legally protected by a statute for minors, to commit a cruel and hideous crime, as was the case of a female dentist was caught up by a gang of three or four who entered her office, set fire to her body and burnt her alive! I cannot help reporting that the victimized dentist was the only supporter of her family You see, reader, one of the murderers was an under-age young boy.

Among lawmakers in Brazil’s House of Deputies and in the Senate it all seems this issue does not touch their political sensitivity inasmuch as I haven’t seen so far any movement of congressmen towards presenting an urgent bill related to the reduction of full age bracket as urgently as possible so as to give an expected and firm answer to society who is crying for help in all corners of Brazil. It’s up to politicians, men of laws, lawyers, jurists, public attorneys to take the lead  in  the reduction of full penal  law for under-age killers, and mainly it is up to President Dilma Rousseff to take short term measures in order to give the first steps towards solving this unbearable social problem.

On the other hand, I have seen people related to the judicial power who are against the general cry of Brazilian society with regard to this issue of age reduction for young murderers. On my part, I remind them of the circumstance of the fact that in this particular matter, their viewpoints, supported by arguments grounded on juridical knowledge, does not allow them to be the only ones to give the last word about an issue that is beyond sheer juridical domains but pervades other fields of knowledge such as sociology, anthropology, psychology, psychiatry etc. Moreover, an non-theoretical view of a layman does not mean it is not helpful and valid, as it is based on life experience that we as individuals are imbued with

One thing, however, should not be neglected: Brazilians, through several channels of mobilizations, such as some Ongs( (Portuguese acronym for NGO), OAB ( Portuguese acronym for Brazilian Bar Association, BBA), religious leaders, the population as a whole, ought to unite around this issue and ought to demand from congressmen immediate change in the Penal Code and especially in the Statute of Minors. We cannot put off the solution of this problem, otherwise society will still see gloomy days ahead. Society has come to a state of helplessness. I even go further in my opinion, the large – scale of violence that is disturbing Brazil today if not fought in time as hard as possible, will have unprecedented social economical and political consequences.

I remind our authorities that our country will soon be the host of important megaevents, such as, among others, the World Cup and the Olympic Games. Of course, the presence of policemen and other forces of security, even federal ones, should not only come to help us during these events, thus giving foreigners the impression that we live in a paradise surrounded by policemen everywhere ready to save us from criminality. What society actually needs is a prompt answer on the part of our highest authority, President Dilma Rousseff. The ultimate action must come from her government. She is the people’s last hope in this connection. She has all the available tools to face and fight violence and criminality in Brazil. It’s in her hand the solution to this afflictive problem. May she not disappoint us on this sad and tragic moment the country is going through..

Redução da maioridade penal de menores infratores

                                                                           "Saber é distinguir." (Croce)

Cunha e Silva Filho

Quatro grandes problemas enfrentam os brasileiros atualmente: transporte, saúde, educação e segurança, sendo o último o mais polêmico na vida social do país. Permita-me, leitor, explicitá-lo com mais pormenores. Ao contrário do que as estatísticas demonstram –nem sempre se deveria confiar literalmente nos dados estatísticas -, o Brasil atravessa sua pior fase de criminalidade, notadamente no chamado eixo Rio de Janeiro- São Paulo. Passando por uma banca de jornal do meu bairro, uma manchete na capa deu uma revista de circulação nacional, a  Isto é, que estava pendurada num dos lados da banca,  me chamou atenção: “Redução da maioridade penal.” Não comprei este mais recente número da revista, porém pensei comigo, este será o assunto do meu artigo.

Sabe-se que a sociedade encontra-se dividida quanto à concordância ou discordância da possibilidade de redução penal para criminosos de menor idade, mas a maioria do povo é favorável à redução da maioridade criminal para jovens de ambos os sexos que estão ameaçando a estabilidade da vida normal, sobretudo nas grandes cidades.

No país só vão para a prisão jovens a partir de dezoito anos. A sociedade, entretanto, quer que eles sejam mandados para prisões, já que se alega que, aos dezesseis anos, também podem votar em eleições para Presidente ou para outros cargos políticos. Desta maneira, podem ser responsabilizados pelos crimes e ações cruéis cometidos.

Espera-se que o governo federal urgentemente se posicione no que concerne ao elevado nível de criminalidade do país.

Até hoje, os brasileiros não tiveram sequer um palavra da Presidente Dilma Rousseff a este respeito. Ao que parece, não está dando a devida atenção ao assunto. Em seu mais recente pronunciamento, na televisão, em homenagem a mais um Dia do Trabalho, nenhuma afirmação se ouviu da parte dela no que diz respeito ao maior desafio a ser enfrentado por um Chefe de Estado, inegavelmente sua questão mais preocupante mais atual.

No pronunciamento, ela ressaltou os mais importantes êxitos de seu mandato. Apesar dessas vitórias favoráveis no campo da economia e em outros objetivos alcançados, ela esqueceu de fazer referência aos medíocres e reais resultados em outras dimensões do seu governo, isto e, não fez menção a alguns problemas que parecem se arrastar cronicamente na sociedade brasileira, sendo o pior deles o altíssimo índice de criminalidade, mormente os inúmeros casos de assassínios perpetrados por adolescentes em tal magnitude que a sociedade não mais consegue suportar tal situação.

Atingimos o clímax da criminalidade de delinqüência juvenil! O que é mais grave, os brasileiros estão acuados com a onda de violência que parece não ter fim. Perdemos um número considerável de pessoas de todas as idades recentemente ceifadas por monstros que se aproveitam da sua faixa de idade para agir criminosamente.

Tendo consciência de que não serão apreendidos nem depois encarcerados, pois têm a proteção do Estatuto do Menor, põem-se a cometer crimes hediondos, como foi o caso da dentista queimada viva em seu próprio consultório por uma quadrilha de três ou quatro facínoras! Não se pode deixar de mencionar que a dentista assassinada era arrimo de família. Veja, leitor, um dos criminosos era de menor!

Entre os legisladores do país na Câmara dos Deputados e no Senado, nos parece que esta questão não toca sua sensibilidade política, visto que, até esta data, não vi movimento algum de congressistas no sentido de apresentar um projeto de redução de maioridade penal com urgência urgentíssima de modo a dar uma satisfação esperada e firme a um a sociedade que clama por socorro por todos os lados do país. Cabe ao políticos, homens de leis, advogados, juristas, promotores  leavarem  adiante a ideia da redução da mioridade penal e principalmente compete  à Presidente Dilma Rousseff tomar as medidas a curto prazo com vistas a resolver este insuportável problema social.

Por outro lado, tenho visto pessoas ligadas ao poder judiciário que se colocam contra o grito geral da sociedade brasileira no que diz respeito a esta questão de redução de maioridade para jovens assassinos. Da minha parte, lembro-lhes de que a circunstância do fato que neste assunto particular, seus pontos-de-vista, alicerçados por argumentos consubstanciados no conhecimento jurídico, não lhes permite ser as únicas pessoas a dar a última plavra acerca de uma questão que se situa acima dos meros domínios jurídicos, mas permeia outros campos do conhecimento tais como sociologia, antropologia, psicologia, psiquiatria etc. Ademais, uma visão não teórica de um leigo não significa que ela não seja útil e válida, visto que se fundamenta na experiência de vida da qual os indivíduos estão imbuídos.

No entanto, não se deve ignorar uma coisa: os brasileiros, através de vários canais de mobilização, tais como ONGs, OAB, lideres religiosos, a população como um todo, deveriam unir-se em torno desta questão e exigir dos congressistas alteração imediata no Código Penal e em especial no Estatuto do Menor. Não se pode postergar a solução deste problema, senão a sociedade ainda verá dias sombrios no futuro. A sociedade atingiu um estágio de desamparo . Eu mesmo levaria mais adiante meu ponte de vista, a violência em larga escala, que está perturbando o Brasil atualmente, se não for combatida a tempo e de maneira tanto quanto possível rigorosa, terá consequências sociais, econômicas e políticas imprevisíveis.

Lembro às nossas autoridades que nosso país brevemente será o anfitrião de importantes megaeventos, como, entre outros, a Copa Mundial e os Jogos Olímpicos. Decerto a presença de policiais e outras forças de segurança, mesmo as federais, não deveriam acudir-nos não apenas durante aqueles eventos, dando, assim, a impressão de que vivemos num paraíso cercado de policiamento por toda a parte e pronto a salvar-nos  da criminalidade.

O que a sociedade na realidade precisa é de uma pronta resposta da parte de nossas mais alta autoridade, a Presidente Dilma Roussseff. A última providência deve partir do seu governo. Ela é a última esperança nesta direção. Dispõe de todos os instrumentos para enfrentar e combater a violência e a criminalidade no Brasil. Em suas mãos está a solução para este aflitivo problema, Que não nos desaponte nesta triste e trágico momento que o país está atravessando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário